Catalunha

Puigdemont assume mandato do povo para um Estado independente

Carles Puigdemont (à direita) e Oriol Junqueras (à esquerda)
Carles Puigdemont (à direita) e Oriol Junqueras (à esquerda)
AFP

O presidente do Governo catalão, Carles Puigdemont, declarou hoje no parlamento regional que assume o “mandato do povo” para que a Catalunha seja um “Estado independente”, mas propôs a suspensão dos seus efeitos para procurar o diálogo com Madrid.

“Há um antes e um depois de 01 de outubro. Conseguimos o que nos comprometemos. Chegados a este ponto histórico, assumo perante todos o mandato do povo para que a Catalunha se converta num Estado independente, sob a forma de República”, afirmou Puigdemont, sendo fortemente aplaudido pela bancada independentista.

"Hoje o Governo está a ter um gesto de responsabilidade. Esta conflito pode ser resolvido através do diálogo", disse o líder catalão.

Apoiantes da independência escutam atentamente o discurso de Puigdemont.
Apoiantes da independência escutam atentamente o discurso de Puigdemont.
AFP

Segundo o jornal El País, o Governo central está a interpretar a intervenção de Puigdemont como uma declaração de independência e tomará medidas para fazer frente a essa declaração.

O Governo de Rajoy poderá aplicar nas próximas horas o artigo 155 da Constituição, que suspende a autonomia da região.

O executivo de Madrid diz que não pode aceitar que o líder catalão valide a lei do referendo, suspenso pelo Tribunal Constitucional, e que não se pode validar a contagem de um referendo “ilegal e fraudulento”.

Paulo Dâmaso c/ agências
(Atualizada às 20:39)

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.