Escolha as suas informações

Carro invade centro de Trier e faz pelo menos três mortos e 30 feridos
Mundo 3 3 min. 01.12.2020

Carro invade centro de Trier e faz pelo menos três mortos e 30 feridos

Carro invade centro de Trier e faz pelo menos três mortos e 30 feridos

Harald Tittel/dpa
Mundo 3 3 min. 01.12.2020

Carro invade centro de Trier e faz pelo menos três mortos e 30 feridos

As autoridades não descartam um eventual ataque terrorista. O condutor foi detido.

As autoridades alemãs confirmam três mortos na sequência do atropelamento em série que está a ser investigado como um eventual ataque terrorista, na cidade de Trier, a pouco mais de meia-hora do Luxemburgo. A estação pública  SWR avança que o condutor foi detido e que são desconhecidas as circunstâncias do incidente. Pouco antes das 15 horas, o Presidente da Câmara de Trier falou em apenas dois mortos.

O carro que irrompeu em plena Porta Nigra e terá seguido até à praça central da cidade fez pelo menos 30 feridos. À medida que os minutos passam o balanço é atualizado, sendo que inicialmente só se falava de 10.  

Nas redes sociais, a polícia escreve apenas que "várias pessoas feridas depois de serem atingidas por um carro na zona pedestre em #Trier" e pede que se "evite a área".

Segundo a RTL, uma escola nas proximidades do centro da cidade foi fechada e estará a seguir protocolos no cenário de um possível ataque terrorista, embora a informação não tenha sido confirmada por nenhuma fonte policial. 

A poucos quilómetros de distância, no contexto da assistência transfronteiriça, as forças alemãs solicitaram reforços à CGDIS. Quatro ambulâncias, um médico de emergência e dois helicópteros de salvamento da Luxembourg Air Rescur foram imediatamente enviados para Trier. 

Citada pela imprensa local, uma testemunha ocular diz ter visto um Range Rover cinzento-escuro atravessar a zona pedonal da Brotstraße a alta velocidade.  Conta que à sua passagem as pessoas foram atiradas ao ar. 

Partilhada também no Twitter, uma das últimas atualizações da Polícia de Trier confirma que o "condutor foi detido" e que, neste momento, "os feridos têm prioridade absoluta". É precisamente o que se vê nos vídeos que começaram a circular nas redes sociais. Num deles é possível ver o aparato que tomou conta do centro da cidade, noutro a detenção do homem que atropelou um sem número de pessoas. 

Num esclarecimento posterior, as autoridades dizem que o condutor de 51 anos virou de Konstantinstraße para Brotstraße,  tendo depois atravessado toda a zona pedonal até Porta Nigra, conduzindo aleatoriamente. Em Christophstraße, o carro foi parado, cerca de um quilómetro depois, e o condutor foi detido.

De acordo com Karl-Peter Jochem da polícia de Trier, o homem está a ser interrogado sendo ainda precoce apontar um motivo 


Para já ainda é desconhecida a nacionalidade das vítimas. A primeira declaração oficial sobre o incidente que está a deixar a região em sobressalto. O Presidente da Câmara de Trier, Wolfram Leibe falou numa "imagem de horror". Além das lesões físicas, diz que há lesões psicológicas irreparáveis. 

No local precisamente na hora do ataque, o jornalista do Wort Michael Merten descreve a mesma sensação de terror. A cidade de Trier anuncia Se estiver à procura de familiares, pode ir ao ponto de contacto no Trier Theater am Augustinerhof. 

O centro da cidade permanece isolado a fim de assegurar as provas.

Entretanto, de Berlim, o Governo alemão reagiu com consternação ao incidente fatal. "O que aconteceu em Trier é chocante", disse na terça-feira no Twitter o porta-voz do governo Steffen Seibert. "Os pensamentos estão com os familiares das vítimas, com os numerosos feridos e com todos aqueles que estão de serviço neste momento para cuidar das pessoas afetadas".

A presidente distrital de Rhineland-Palatinate, Malu Dreyer, está a caminho de Trier. No Twitter expressa as condolências aos familiares. 


Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Sobre as ruas de Trier abateu-se uma infinita tristeza
"Cinco mortos e 14 feridos não são só números", diz uma mulher no Hauptmarkt. "São uma dor tão forte que cala tudo à volta." Retrato de uma cidade que saiu à rua para prestar tributo às suas vítimas. E que depois mergulhou no silêncio.