Escolha as suas informações

Cantora antivacina infetou-se de propósito e morreu com covid-19
Mundo 2 min. 21.01.2022
Drama

Cantora antivacina infetou-se de propósito e morreu com covid-19

A cantora checa Hana Holka recusou vacinar-se optando por se expor deliberadamente à infeção para ganhar imunidade.
Drama

Cantora antivacina infetou-se de propósito e morreu com covid-19

A cantora checa Hana Holka recusou vacinar-se optando por se expor deliberadamente à infeção para ganhar imunidade.
D.R.
Mundo 2 min. 21.01.2022
Drama

Cantora antivacina infetou-se de propósito e morreu com covid-19

Redação
Redação
Hana Horka, tinha 57 anos, e decidiu contrair deliberadamente o vírus, em vez de se vacinar, para obter o seu certificado de recuperação e voltar a ter vida social. Faleceu domingo e o filho quer que o drama da mãe sirva de exemplo para convencer à vacinação.

A cantora checa Hana Horka, de 57 anos, faleceu domingo passado vítima de covid-19 e a história desta vítima da pandemia está a ser notícia em todo o mundo. É que esta artista de uma popular banda de folk no seu país recusou vacinar-se, optando por infetar-se propositadamente para obter o seu certificado de recuperação e poder voltar a ter vida social.

O seu marido e filho, estão vacinados, mas contraíram a covid-19 antes do Natal. Em vez de se afastar deles, a artista continuou em casa para se “infetar deliberadamente”, contou o filho em entrevistas à BBC e à radio checa iRozhlas.cz.

"Ela decidiu viver normalmente connosco e preferiu contrair a doença em vez de ser vacinada", lamentou Jan Rek.

Dois dias antes da sua morte, Hana Horka escreveu nas redes sociais: "Sobrevivi... Assim, agora haverá teatro, sauna, concerto, sauna... e uma viagem urgente para o mar”.

Domingo passado, a cantora satisfeita por já estar sem sintomas levantou-se e vestir-se para sair de casa e dar um passeio, recordou o filho. Só que, de repente, sentiu umas dores muito fortes nas costas e teve de voltar para a cama.

"Em 10 minutos estava tudo acabado", disse Jan contando que a mãe morreu com falta de ar. O filho acusa um movimento antivacina no seu país de a terem influenciado. "Agora têm sangue nas mãos”, atirou o filho.

"Sei exatamente quem formou a sua opinião. (...) Lamento que ela acreditasse mais nos estranhos do que na sua própria família”, salientou o filho à BBC acusando estas pessoas de “desinformação total” em relação à doença, pois defendem a conquista de “imunidade natural e anticorpos gerados pela infeção do vírus”, ao invés das vacinas.

O filho realçou que a mãe não aderiu a nenhum movimento antivacina, mas no caso da covid-19 opunha-se a receber a inoculação. “A sua filosofia era que ela estava mais confortável com a ideia de apanhar covid do que de ser vacinada.” Nem sequer, “valia a pena discutir com ela sobre isso”, realçou Jan Rek que quer agora divulgar a história da sua mãe, para que possa servir de exemplo, e convencer as pessoas a se vacinarem cotra a covid.


Novo recorde. 3.064 novos casos diários de covid-19 no Luxemburgo
Não houve mortes a registar nas últimas 24 horas.

“Os exemplos da vida real são mais poderosos do que gráficos e números”, defendeu o filho salientando que não se pode “simpatizar com números”.

Hana Horka era uma figura popular na República Checa pertencendo à banda  Asonance, um dos grupos folclóricos mais antigos do país.

Na República Checa, também assolada pela nova vaga,  é obrigatório apresentar um certificado de vacinação ou certificado de recuperação para aceder a todos os locais culturais e desportivos, assim como bares e restaurantes.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.