Escolha as suas informações

Bruxelas emite sexta-feira recomendação sobre candidatura da Ucrânia
Mundo 4 min. 16.06.2022
UE

Bruxelas emite sexta-feira recomendação sobre candidatura da Ucrânia

Volodymyr Zelensky, o presidente da Ucrânia.
UE

Bruxelas emite sexta-feira recomendação sobre candidatura da Ucrânia

Volodymyr Zelensky, o presidente da Ucrânia.
Foto: AFP
Mundo 4 min. 16.06.2022
UE

Bruxelas emite sexta-feira recomendação sobre candidatura da Ucrânia

Lusa
Lusa
Além da candidatura da Ucrânia, a Comissão Europeia deverá também emitir recomendações relativamente à Geórgia e Moldova, dois países que também se sentem particularmente ameaçados pela Rússia.

A Comissão Europeia vai emitir na sexta-feira a sua recomendação sobre a candidatura da Ucrânia à adesão à União Europeia, sendo expectável que se manifeste favorável à concessão do estatuto oficial de país candidato.

O parecer do executivo comunitário vai ser adotado na reunião semanal do colégio de comissários, que esta semana se celebra extraordinariamente à sexta-feira, e deverá ser analisado pelos chefes de Estado e de Governo dos 27 já na próxima semana, num Conselho Europeu agendado para 23 e 24 de junho, em Bruxelas.

Além da candidatura da Ucrânia, a Comissão Europeia deverá também emitir recomendações relativamente à Geórgia e Moldova, dois países que também se sentem particularmente ameaçados pela Rússia, e que, pouco depois de Kiev, apresentaram igualmente as suas candidaturas à adesão ao bloco europeu.

Menos de uma semana após o início da invasão pela Rússia, a 24 de fevereiro, a Ucrânia apresentou formalmente a sua candidatura à adesão, e, no início de abril, a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, entregou em mão, em Kiev, ao Presidente Volodymyr Zelensky o questionário que as autoridades ucranianas entretanto preencheram e remeteram a Bruxelas, aguardando agora ansiosamente pelo ‘veredicto’ europeu.

Ainda que, ao que tudo indica, a recomendação da Comissão Europeia deva ser no sentido de ser concedido oficialmente o estatuto de país candidato à Ucrânia, no que é entendido como um sinal muito forte do compromisso da UE relativamente a um país que está a lutar pela sua independência e soberania face à agressão militar russa, a questão está longe de ser consensual ao nível do Conselho, ou seja, entre os 27 Estados-membros, a quem cabe a palavra final, e por unanimidade.

A Ucrânia recebeu, no entanto, hoje uma forte mensagem de apoio dos líderes dos três Estados-membros com economias mais fortes da UE, com o chanceler alemão, Olaf Scholz, o Presidente francês, Emmanuel Macron, e o chefe de Governo italiano, Mario Draghi, a manifestarem-se a favor de ser concedido o estatuto de candidato “imediato”, durante uma visita conjunta a Kiev.

“Este estatuto será acompanhado de um roteiro e terá também em consideração a situação nos Balcãs e na vizinhança, em particular na Moldova”, precisou Macron numa conferência de imprensa conjunta, tendo os líderes assumido também que qualquer processo de adesão é moroso, já que se trata de “um caminho”, demorando em regra vários anos.

De acordo com fontes europeias, e porque há vários países que expressam reservas, a solução poderá passar por o Conselho Europeu da próxima semana concordar com a concessão do estatuto de candidato à Ucrânia mas sob condições, eventualmente reforçando entretanto o atual Acordo de Associação, para permitir uma integração progressiva dos ucranianos nalguns domínios de política comunitária, como energia, defesa e mercado interno, sem esperar pelo final do processo de adesão.

Na terça-feira, por ocasião de uma deslocação a Haia, o primeiro-ministro, António Costa, insistiu que aquilo de que a Ucrânia mais precisa agora é de respostas imediatas e práticas, e não de questões legais e jurídicas relacionadas com o processo de adesão ao bloco europeu, necessariamente moroso, o que pode criar frustração.

“É preciso ter cuidado em evitar criar falsas expectativas, porque estas frustrações têm um efeito ricochete muito duro sobre a União Europeia. Hoje, o apoio à UE em muitos dos países dos Balcãs Ocidentais já é muito inferior ao que era, fruto desta frustração”, salientou.

António Costa recordou que vários países daquela região “há anos que já foram admitidos como candidatos, e que, ano após ano, veem ou que não se abrem as negociações, ou que as negociações estão abertas e estão congeladas, ou que nunca mais se chega a resultados, e isso vai acumulando frustrações”.

O primeiro-ministro defendeu que “muita coisa que pode ser feita sem dividir a UE, e que não seja um estatuto legal [de país candidato], cujos efeitos práticos só serão vistos muito mais tarde”, e uma das possibilidades que identificou prende-se precisamente com o Acordo de Associação entre o bloco comunitário e a Ucrânia, que pode ser melhorado para permitir, por exemplo, a liberdade de circulação, assim como levantar as barreiras à circulação de bens ucranianos no mercado interno da UE.

“Em vez de nos dividirmos em torno de questões jurídicas e de questões legais, é melhor reforçar a nossa unidade em respostas concretas para aquilo que os ucranianos e a Ucrânia precisa hoje, e é aí que nos devemos concentrar”, defendeu.

A UE, que conta atualmente com 27 Estados-membros - desde a saída do Reino Unido, consumada no ano passado -, atribuiu o estatuto de país candidato à Albânia, Macedónia do Norte, Montenegro, Sérvia e Turquia, e tem em curso processos relativos à Bósnia Herzegovina e ao Kosovo, que são considerados como potenciais candidatos, mas, em todos os casos, por diferentes razões, os processos não conheceram desenvolvimentos nos últimos anos.

O Contacto tem uma nova aplicação móvel de notícias. Descarregue aqui para Android e iOS. Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

“A Comissão Europeia seguirá em frente neste caminho”, adiantou, anunciando ainda que informou Zelensky sobre “o desembolso de uma segunda tranche de cerca de 300 milhões de euros de assistência macrofinanceira à Ucrânia”.