Escolha as suas informações

Brexit. May enfrenta moção de censura após chumbo do acordo
Mundo 16.01.2019

Brexit. May enfrenta moção de censura após chumbo do acordo

Brexit. May enfrenta moção de censura após chumbo do acordo

Foto: AFP
Mundo 16.01.2019

Brexit. May enfrenta moção de censura após chumbo do acordo

Maior derrota de sempre de um Governo no Parlamento do Reino Unido gera situação de enorme incerteza.

A primeira-ministra britânica Theresa May enfrenta hoje uma moção de censura no Parlamento, anunciada ontem pelo líder trabalhista, Jeremy Corbyn, na sequência da rejeição do acordo para o Brexit com números históricos. Na maior derrota de sempre de um Governo no Parlamento do Reino Unido, o documento foi chumbado por 432 votos contra e apenas 202 a favor, ou seja, 230 votos de diferença - muito superior ao desaire do trabalhista Ramsay MacDonald em 1924 (166 votos).

Corbyn avançou para a apresentação da moção de censura desafiado pela própria May e classificando como "incompetente" a atuação do Governo em todo este processo. A primeira-ministra ripostou, não desistindo de conduzir o país rumo à saída da União Europeia. "Se a câmara confirmar a sua confiança neste Governo, irei reunir-me com os meus colegas, com os nossos parceiros do DUP (Partido Unionista Democrático) e com os responsáveis dos restantes partidos para identificar o que é necessário no sentido de termos o seu apoio", defendeu.

Ontem, depois do chumbo do acordo, alguns dos que votaram contra admitiram apoiar May e defendê-la da moção de censura e os eurocéticos do European Research Group também devem optar por votar a favor da primeira-ministra, face a um cenário em que a queda do Governo e consequentes eleições poderiam levar os trabalhistas ao poder. Mas 100 deputados estão já a preparar-se para lançar um movimento favorável à realização de um segundo referendo.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.


Notícias relacionadas

Brexit. May quer continuar negociações
Primeira-ministra assegura que todos vão ser ouvidos antes de voltar a Bruxelas com o chamado plano B, mas rejeita um segundo referendo ou a extensão do artigo 50. No dia 29 serão votadas só as emendas à moção do Governo. Votação final do plano B só em fevereiro.