Escolha as suas informações

Brexit. May apresenta proposta que obriga Parlamento a decidir sobre novo referendo
Mundo 3 min. 21.05.2019

Brexit. May apresenta proposta que obriga Parlamento a decidir sobre novo referendo

Brexit. May apresenta proposta que obriga Parlamento a decidir sobre novo referendo

Foto: AFP
Mundo 3 min. 21.05.2019

Brexit. May apresenta proposta que obriga Parlamento a decidir sobre novo referendo

A nova proposta de acordo será levada ao Parlamento no dia 3 de junho, para que os deputados que já por três vezes rejeitaram anteriores soluções se pronunciem.

A primeira-ministra britânica, Theresa May, apresentou esta terça-feira uma nova proposta de Brexit que levará ao Parlamento britânico e que obriga a que os deputados votem sobre um segundo referendo.

Numa comunicação feita horas depois de o seu governo ter apoiado esta nova proposta de Brexit, Theresa May disse hoje que continua “empenhada em garantir a saída do Reino Unido da União Europeia” e mostrou-se confiante de que a nova proposta terá a aprovação no Parlamento, onde será votada na primeira semana de junho.


May promete ser "ousada" para aprovar o Brexit
"Não vou simplesmente pedir aos deputados que reconsiderem outra vez [o mesmo acordo]. Pelo contrário, vou pedir-lhes que olhem para um acordo novo e melhorado com outro olhar - e para lhe darem o seu apoio", vincou, a ainda primeira-ministra do Reino Unido.

May diz que a proposta incluirá o requisito de haver uma votação no Parlamento sobre se será feito um novo referendo sobre o Brexit, mas este novo referendo apenas poderá acontecer se os deputados aprovarem o acordo de saída.

A existir, esse segundo referendo deverá acontecer ainda antes de o acordo de saída da União Europeia seja ratificado.

“Não acredito que este caminho (do segundo referendo) seja um caminho a seguir, mas percebo o genuíno e sincero desejo de alguns nesse sentido”, admitiu Theresa May.

A primeira-ministra britânica apresentou algumas novas ideias para a nova proposta, garantindo a proteção de direitos dos trabalhadores, comprometendo-se a manter-se alinhada com a Irlanda do Norte sobre o ‘backstop’ e assegurando que não haverá alterações na proteção ambiental se houver uma saída do Reino Unido.

A nova proposta de acordo será levada ao Parlamento no próximo dia 3 de junho, para que os deputados que já por três vezes rejeitaram anteriores soluções se pronunciem.

Theresa May disse que a opção de não haver um acordo sobre o Brexit não era sequer uma hipótese e referiu-se a esta proposta como “a última hipótese” para o Brexit.


O partido do Brexit lidera as sondagens no Reino Unido
A nova formação de Nigel Farage criada para forçar que se cumpra os resultados do referendo em que os britânicos decidiram sair da União Europeia é o partido mais votado nas sondagens para as eleições europeias. Os conservadores de Theresa May aparecem apenas em quarto lugar.

A primeira-ministra disse mesmo que a rejeição de um acordo de saída implicará a permanência do Reino Unido na União Europeia.

“Por isso, se os deputados votarem contra (…) esta proposta, estão a votar para parar o Brexit”, disse Theresa May.

O Reino Unido já devia ter deixado a União Europeia em 29 de março, mas os países da comunidade aceitaram estender o prazo até dia 31 de outubro, no meio de um impasse político muito prolongado.

Theresa May disse hoje que está a “fazer uma nova oferta para encontrar terreno comum no Parlamento”, após negociações com o Partido Trabalhista, na oposição.


Brexit alavanca lucros das seguradoras luxemburguesas
O setor dos seguros no Luxemburgo vai de vento em popa, em parte graças às consequências da saída do Reino Unido da União Europeia (Brexit).

E voltou a admitir que abandonará os seus cargos como primeira-ministra e como líder do Partido Conservador, logo que este processo esteja concluído.

May admitiu que a parte mais difícil das negociações que realizou com os vários partidos com assento parlamentar foi a das alfândegas.

“No cerne do Brexit está a tensão entre a força da nossa ambição em aproveitar as novas oportunidades que o Brexit apresenta e a necessidade de proteger os empregos e a prosperidade que resultam do relacionamento com outras economias europeias”, explicou.

A primeira-ministra lembrou que este acordo de saída não tem de ser “a última palavra” sobre as futuras negociações com a União Europeia.

“Nos próximos meses e nos próximos anos, o Parlamento poderá redefinir as regras de entendimento com a União Europeia”, explicou May.


Brexit pode ajudar grupo armado Novo IRA
A fronteira entre as Irlandas é um assunto de discórdia entre os deputados britânicos e a primeira-ministra britânica Theresa May.

A primeira-ministra reconheceu as dificuldades na negociação do acordo de saída, atribuiu as culpas à incapacidade de os políticos se entenderem e prometeu que o Brexit será atingido.

“Com um acordo de Brexit correto, podemos sair deste impasse. (…) E nós vamos conseguir isso”, prometeu Theresa May.

Lusa