Escolha as suas informações

Brexit. Macron pressiona Reino Unido
Mundo 2 min. 16.01.2019

Brexit. Macron pressiona Reino Unido

Brexit. Macron pressiona Reino Unido

Foto: AFP
Mundo 2 min. 16.01.2019

Brexit. Macron pressiona Reino Unido

Presidente francês lembrou que o resultado do referendo que ditou a saída do Reino Unido da União Europeia foi "manipulado".

O Presidente francês, Emmanuel Macron, reagiu ontem ao chumbo do acordo de saída do Reino Unido da União Europeia (UE) pelo Parlamento britânico dizendo que agora “a pressão está do lado” de Londres.

“A pressão está agora do lado deles”, sustentou Macron, que soube em direto do resultado da votação na Câmara dos Comuns, em Westminster, em que o texto negociado pelo Governo conservador da primeira-ministra Theresa May foi rejeitado por 432 dos deputados e apenas 202 votaram a favor – a maior derrota infligida a um governante britânico desde a década de 1920.

O chefe de Estado francês, que participava num debate com autarcas em França, comentou ainda que o referendo britânico realizado em junho de 2016, em que ganhou o ‘Não’ à permanência do Reino Unido no bloco comunitário, foi “manipulado” e que “se mentiu às pessoas”.

Donald Tusk, presidente do Conselho Europeu, deixou uma interrogação através da rede social Twitter:

O vice-chanceler e ministro das Finanças alemão, Olaf Scholz, classificou o dia de ontem como “um dia amargo para a Europa”, após a rejeição pelo Parlamento britânico do acordo de divórcio entre o Reino Unido e a UE.

“É um dia amargo para a Europa. Estamos preparados. Mas um Brexit sem acordo é a pior de todas as hipóteses para a UE, mas sobretudo para o Reino Unido”, comentou Scholz na rede social Twitter logo depois da votação na Câmara dos Comuns.

Também o primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, lamentou “o resultado negativo” da votação sobre o acordo de ‘Brexit’ no Parlamento britânico, garantindo que “uma saída desordenada será negativa para a União Europeia e catastrófica para o Reino Unido”.

Fontes da Moncloa indicaram que Espanha quer que, apesar da votação de hoje, a Câmara dos Comuns acabe por dar a sua aprovação ao texto negociado durante quase um ano e meio e que tem a aprovação do Governo britânico.

Para o executivo espanhol, o acordo “é o melhor possível” para os interesses de ambas as partes, os direitos dos cidadãos e dos operadores económicos.

O chanceler federal da Áustria, o conservador Sebastian Kurz, por seu turno, descartou hoje que a UE renegoceie o acordo de ‘Brexit’ esta noite rejeitado pelo Parlamento britânico.

“Seja como for, não haverá renegociação”, disse Kurz à agência noticiosa austríaca APA pouco depois de a Câmara dos Comuns ter votado contra a adoção do documento negociado pela primeira-ministra conservadora, Theresa May, com a UE.

Apesar disso, o chefe do Governo austríaco sublinhou que “a mão da UE continua estendida para evitar um ‘Brexit’ difícil e para garantir que a relação futura de Londres e da UE seja o mais próxima possível”.

Kurz, que segundo a APA falou ontem à noite por telefone com o negociador-chefe comunitário do ‘Brexit’, Michel Barnier, disse esperar “mais clareza por parte do Reino Unido quanto à futura relação com a UE” e considerou que “sobretudo, o Reino Unido precisa de saber qual é o seu objetivo”.

No caso de ocorrer o chamado “hard Brexit” – uma saída do Reino Unido sem acordo com a UE -, a Áustria está adequadamente preparada, assegurou Kurz.

Lusa

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.


Notícias relacionadas

Que mais irá acontecer ao Brexit?
A União Europeia já pediu explicações a Londres, os até agora parceiros comunitário dos Reino Unido querem saber o que é que os súbditos de sua majestade querem mesmo, para poderem saber o que se segue. Veja aqui os cenários mais prováveis.