Escolha as suas informações

Brexit: Fundadores da UE "não deixarão nunca que lhes tirem a sua Europa"

Brexit: Fundadores da UE "não deixarão nunca que lhes tirem a sua Europa"

Mundo 3 min. 25.06.2016

Brexit: Fundadores da UE "não deixarão nunca que lhes tirem a sua Europa"

O ministro dos Negócios Estrangeiros alemão, Frank-Walter Steinmeier, declarou hoje que os seis fundadores da União Europeia (UE), que estão em Berlim para analisar o 'post-brexit', "não deixarão nunca que lhes tirem a sua Europa".

O ministro dos Negócios Estrangeiros alemão, Frank-Walter Steinmeier, declarou hoje que os seis fundadores da União Europeia (UE), que estão em Berlim para analisar o 'post-brexit', "não deixarão nunca que lhes tirem a sua Europa".

"Estou seguro de que estes Estados vão enviar a mensagem de que não deixarão ninguém tirar-lhes a sua Europa, este projeto de paz e de estabilidade", afirmou o ministro alemão antes do encontro com os homólogos Jean-Marc Ayrault (França), Bert Koenders (Holanda), Paolo Gentiloni (Itália), Didier Reynders (Bélgica) e Jean Asselborn (Luxemburgo).

Ayrault defendeu que a saída do Reino Unido da UE devia ser ativada o mais rapidamente possível.

"É necessário ser rápido, que a negociação arranque (...) no interesse comum. A pressão vai ser forte sobre o primeiro-ministro britânico, David Cameron, na cimeira europeia de terça-feira e quarta-feira", adiantou Ayrault.

Cameron anunciou na sexta-feira, depois da vitória do 'brexit' no referendo, que sairia de funções em outubro e que deixaria ao seu sucessor a tarefa de negociar a saída da UE, pondo em ira os responsáveis europeus.

"Não é um divórcio amigável", afirmou o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker. À antena de televisão alemã ARD na sexta-feira à noite.

"Não percebo porque é que o Governo britânico precisa de esperar até ao mês de outubro para decidir se envia ou não a carta de divórcio para Bruxelas. Eu gostaria de a receber imediatamente", insistiu.

O presidente do Parlamento Europeu, Martin Schulz, defendeu que Cameron tinha assim "todo o continente (europeu) como refém".

O encontro a seis em Berlim lança uma grande dança diplomática para tirar conclusões sobre a votação da saída do reino Unido da UE. Na segunda-feira, a chanceler alemã, Angela Merkel, recebe o presidente francês, François Hollande, e o primeiro-ministro italiano, Matteo Renzi, na véspera de dois dias da cimeira europeia.

"Estou seguro de que os 27 países querem defender esta Europa, que há uma grande vontade de reforçar a Europa", disse Steinmeier, sublinhando respostas urgentes deviam ser dadas sobre temas específicos, como "os refugiados e as migrações, a crise do emprego (...) e a segurança".

Por outro lado, o ministro dos Negócios Estrangeiros francês indicou que os seis ministros vão debater a melhor maneira para relançar o projecto europeu com base numa proposta franco-alemã.

"Trabalhámos sobre uma proposta com Steinmeier sobre o que poderia aproximar os pontos de vista de uns e de outros. Uns privilegiam a integração da zona euro, outros a política de segurança e de defesa", adiantou.

"Toda a gente reconhece que o casal franco-alemão tem um papel. Não é exclusivo, mas se não houver um bom entendimento franco-alemão isso paralisa o resto", adiantou.

Os chefes da diplomacia dos seis países fundadores da União Europeia (UE), incluindo o luxemburguês Jean Asselborn, reúnem-se hoje em Berlim para debater as consequências do referendo britânico, em que os eleitores decidiram pela saída do Reino Unido da UE.

O Reino Unido, cujos eleitores escolheram na quinta-feira sair da UE, a Irlanda e a Dinamarca foram os países do primeiro alargamento da Comunidade Económica Europeia, a 01 de Janeiro de 1973.

Os eleitores britânicos decidiram que o Reino Unido vai sair da União Europeia (UE), depois de o 'Brexit' ter conquistado 51,9% dos votos no referendo de quinta-feira, cuja taxa de participação foi de 72,2%.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.


Notícias relacionadas

Brexit: E agora Reino Unido?
O Reino Unido deu um passo em direcção ao desconhecido ao votar a favor do Brexit. Além dos efeitos mais visíveis nas bolsas e na desvalorização da libra, seguem-se agora anos de negociações. Que cenários são válidos para o Reino Unido? Como vai o país relacionar-se com a União Europeia (UE) e com países terceiros?
O impacto do Brexit não será imediato
Brexit: David Cameron anuncia demissão
O primeiro-ministro britânico, David Cameron, anunciou hoje a intenção de se demitir em Outubro, na sequência do referendo em que os britânicos decidiram pela saída do Reino Unido da União Europeia.
Britain's Prime Minister David Cameron leaves Number 10 Downing Street with his wife Samantha, to speak after Britain voted to leave the European Union, in London, Britain June 24, 2016.    REUTERS/Phil Noble