Escolha as suas informações

Brexit: Dezenas de milhares manifestam-se em Londres pelo direito a serem ouvidos

Brexit: Dezenas de milhares manifestam-se em Londres pelo direito a serem ouvidos

AFP
Mundo 3 min. 25.03.2017

Brexit: Dezenas de milhares manifestam-se em Londres pelo direito a serem ouvidos

Dezenas de milhares de pessoas manifestaram-se hoje em Londres pelo direito a serem ouvidas sobre os termos de saída do Reino Unido da UE, cujo processo começará na quarta-feira.

Dezenas de milhares de pessoas manifestaram-se hoje em Londres pelo direito a serem ouvidas sobre os termos de saída do Reino Unido da União Europeia, cujo processo começará na quarta-feira.

Os organizadores, um grupo intitulado "United for Europe", reivindica o direito de a "sociedade civil britânica ser consultada e onde o parlamento ou a população tenha a palavra final sobre o nosso futuro".

Entre as reivindicações, enumeraram a permanência no mercado único europeu, os direitos oferecidos pela cidadania de um país da UE e a garantia de que os cidadãos europeus estrangeiros poderão continuar a residir no Reino Unido.

A marcha, que começou junto a Hyde Park e seguir até à praça de Westminster, junto ao parlamento, começou por fazer um minuto de silêncio em memória das vítimas do atentado de quarta-feira que matou cinco pessoas (incluindo o atacante) e feriu 50.

A maioria das pessoas apresentaram-se de bom espírito, com cartazes feitos em casa com ou envergando bandeiras da União Europeia, que hoje comemora o 60.º aniversário do Tratado de Roma.

Entre os manifestantes encontravam-se pessoas de diversas nacionalidades, incluindo muitos britânicos, como Jack Stanton, que acredita que o futuro do país ainda está por definir.

"As pessoas estão zangadas porque a campanha [para o referendo] foi feita de mentiras, ninguém sabia o que iria acontecer. Temos de juntar a nossas vozes e reivindicar um voto ao acordo", afirmou à agência Lusa.

No protesto participaram também alguns portugueses, vários com bandeiras nacionais às costas.

Julio da Cunha, um serralheiro mecânico há dez anos em Londres, participou para mostrar o "descontentamento com a situação criada pelo Brexit", declarou à agência Lusa.

"Temos de ser unidos, lutar pelos nossos direitos. Temos de nos juntar e dizer à [primeira-ministra] Theresa May que também temos uma voz neste país, que também somos uma grande influência na economia deste país e todos juntos podemos fazer força para evitar que o Brexit não seja tão rigoroso", defendeu

Também Lionel Pinheiro, cantor de ópera igualmente há cerca de uma década no Reino Unido, está empenhado em que o acordo de saída da UE não seja severo.

"Se for um Brexit que seja ‘soft'. Parte do meu trabalho envolve não só o Reino Unido, mas na Europa. Como português, tanto posso trabalhar em Braga como em Munique ou Atenas. Mas eu vim para aqui estudar e estou a fazer cá a minha vida. Será muito mais difícil no futuro se precisar de fazer alguma coisa como europeu estando cá", lamentou.

Já Dina Mendes, no Reino Unido há 22 anos onde é enfermeira especialista numa escola, a preocupação centra-se no futuro da sua pensão de reforma.

"Gostaria de saber se se eu tiver de me ir embora, se posso levá-la comigo, se não tiver de ir embora se está protegida e vou tê-la, porque são muitos anos para perder por causa deste ‘hard Brexit' que eles querem fazer", afirmou.

Enquanto mãe, Dina Mendes reconhece que sair do país não seria uma decisão fácil e que está a dividir muitas famílias de imigrantes.

"Os meus meninos mais pequenos são ambos britânicos e eu tenho de perguntar a eles se querem sair do país deles e ir para o país da mãe", explicou.

Miguel Alves, motorista, também há 25 anos no Reino Unido, participou hoje pela primeira vez numa manifestação por estar preocupado com o impacto do Brexit.

"Não tanto por mim, mas pelos meus filhos, porque as oportunidades vão ser mais raras, algumas empresas vão sair daqui e eles vão sofrer", previu.

Ao participar no protesto, Miguel Alves quis exigir respeito, acrescentando: "Não nos usem como carne para canhão, deixem-nos ficar sem nos tirarem direitos".

O governo britânico anunciou pretender acionar na quarta-feira o artigo 50 que determina a saída do país da UE, respeitando assim o resultado do referendo de 23 de junho de 2016.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.


Notícias relacionadas