Escolha as suas informações

Brasil. Grupo Vale acusado de crimes ambientais em catástrofe de barragem
Mundo 26.11.2021
Justiça

Brasil. Grupo Vale acusado de crimes ambientais em catástrofe de barragem

Justiça

Brasil. Grupo Vale acusado de crimes ambientais em catástrofe de barragem

Foto: AFP
Mundo 26.11.2021
Justiça

Brasil. Grupo Vale acusado de crimes ambientais em catástrofe de barragem

Bloomberg
Bloomberg
Vale e empresa alemã de auditoria de segurança acusadas de vários crimes contra a vida animal, flora, recursos hídricos e outros crimes de poluição, enquanto 19 consultores, engenheiros, gestores e diretores foram também indiciados pela morte de 270 pessoas.

A Polícia Federal do Brasil acusou a Vale SA e a empresa alemã de auditoria de segurança TUEV SUED AG por crimes ambientais num colapso mortal de uma barragem que enterrou uma aldeia rural e espalhou resíduos mineiros na área.

As duas empresas foram acusadas de vários crimes contra a vida animal, flora, recursos hídricos e outros crimes de poluição, enquanto 19 consultores, engenheiros, gestores e diretores foram também indiciados pela morte de 270 pessoas, disse a Polícia Federal num comunicado de sexta-feira.

Em fevereiro, a Vale concordou em pagar aproximadamente 6.18 mil milhões de euros ao Estado de Minas Gerais, que serão utilizados em programas socioeconómicos e ambientais para reparar os danos causados pelo colapso da barragem.


Barragem do Brumadinho. Vítimas aumentam para 150
Novo balanço das autoridades aponta ainda para 182 desaparecidos.

A empresa aguarda para ser formalmente informada da conclusão da investigação policial antes de fazer qualquer declaração, de acordo com uma resposta por e-mail à Bloomberg. 

A empresa sediada no Rio de Janeiro afirmou ter colaborado continuamente com as investigações da Polícia Federal e reafirmou que nenhum cenário na altura indicava que a estrutura da barragem estivesse em risco iminente de ruptura.

A TUEV SUED disse por e-mail que não podia comentar porque ainda não foi capaz de avaliar o relatório da polícia. O relatório do inquérito policial será agora enviado ao Ministério Público federal, que disse que analisará os documentos, juntamente com outras provas obtidas durante as suas próprias investigações.

Os procuradores federais também aguardam uma decisão de um tribunal superior sobre se as acusações criminais relacionadas com o caso Brumadinho serão julgadas a nível federal ou estadual.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.