Escolha as suas informações

Brasil. Candidatos unidos contra Bolsonaro e Haddad em debate
Mundo 3 min. 01.10.2018

Brasil. Candidatos unidos contra Bolsonaro e Haddad em debate

Os candidatos Álvaro Dias (Podemos), Fernando Haddad (PT), Henrique Meirelles (MDB) e Geraldo Alckmin (PSDB) durante o debate.

Brasil. Candidatos unidos contra Bolsonaro e Haddad em debate

Os candidatos Álvaro Dias (Podemos), Fernando Haddad (PT), Henrique Meirelles (MDB) e Geraldo Alckmin (PSDB) durante o debate.
Foto: AFP
Mundo 3 min. 01.10.2018

Brasil. Candidatos unidos contra Bolsonaro e Haddad em debate

No penúltimo debate televisivo com oito dos 13 candidatos às presidenciais, Bolsonaro e Haddad, que aparecem em empate técnico numa sondagem divulgada ontem, foram os principais alvos das críticas. Bolsonaro esteve ausente por motivos de saúde e Haddad defendeu-se como pôde.

Os líderes das sondagens, Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT), foram os principais alvos de críticas do penúltimo debate televisivo, que juntou neste domingo oito dos 13 candidatos às eleições presidenciais do Brasil.

Neste debate, a sete dias das presidenciais brasileiras, Álvaro Dias (Podemos), Cabo Daciolo (Patriota), Ciro Gomes (Partido Democrático Trabalhista - PDT), Fernando Haddad (Partido dos Trabalhadores - PT), Geraldo Alckmin (Partido da Social Democracia Brasileira - PSDB), Guilherme Boulos (Partido Socialismo e Liberdade - PSOL), Henrique Meirelles (Movimento Democrático Brasileiro - MDB) e Marina Silva (Rede) foram os candidatos presentes.

Jair Bolsonaro, candidato do Partido Social Liberal (PSL) e líder das sondagens, voltou a não participar no debate presidencial por motivos de saúde, apesar de já ter recebido alta médica no passado sábado.

Apesar da ausência, Bolsonaro foi o principal alvo dos ataques dos adversários ao longo de todo o debate, que lhe chamaram "extremista", considerando o candidato do PSL uma "ameaça à democracia".

Na primeira parte do debate, em que os candidatos fizeram perguntas entre si, Ciro Gomes, candidato do PDT, questionou Marina Silva, do partido Rede, sobre a declaração de Jair Bolsonaro em que afirmou que não aceitaria outro resultado que não fosse a sua eleição.

Marina respondeu que a frase de Bolsonaro é um "desrespeito à democracia", acrescentando que "Bolsonaro vem sendo desconstruído pelas suas atitudes, pelos seus próprios atos".

Ciro Gomes apontou ainda críticas à ausência do candidato da extrema-direita no debate, onde afirmou que também ele foi submetido a uma cirurgia na semana anterior e mesmo assim compareceu ao evento, apesar de estar debilitado.

Guilherme Boulos, do PSOL, parabenizou as mulheres que organizaram atos de protesto por todo país, durante o fim de semana, contra o candidato do PSL.

"Primeiramente, ele não", disse Boulos, em referência à frase usada pelas mulheres contra Bolsonaro. "Este sábado foi o início da derrota de Bolsonaro", completou.

Fernando Haddad, do Partido dos Trabalhadores, foi também um dos mais visados da noite pelos restantes candidatos presidenciais.

Na segunda parte do debate, Guilherme Boulos do PSOL disse que o PT deveria assumir parte da responsabilidade pelo surgimento e a ascensão de Jair Bolsonaro e criticou ainda a aliança do candidato do PT com nomes do partido do Presidente do Brasil, Michel Temer, como Eunício Oliveira e Renan Calheiros.

"Um dos maiores erros do PT foi governar com Temer", disse Boulos, acrescentando: "Desta forma até pode ganhar uma eleição, mas nem toda a vitória eleitoral é uma vitória política".

Haddad aproveitou as suas intervenções para afirmar que triplicou o número de vagas em universidades públicas enquanto foi ministro da Educação durante o governo de Lula da Silva.

O ex-governador brasileiro, que se encontra preso por corrupção, foi enaltecido pelo candidato do PT: "Para mim, Lula é o maior estadista da história, uma pessoa com projeção internacional, que recebe semanalmente apoio de lideranças e chefes de Estado do mundo inteiro em função da sua prisão injusta".

Álvaro Dias (Podemos) também foi um dos políticos que se insurgiram contra os candidatos do PT e do PSL, dizendo existir uma "marcha da insensatez" na campanha eleitoral e que "a mentira continua a ser uma arma poderosa na boca dos candidatos".

Pela primeira vez, os candidatos Jair Bolsonaro e Fernando Haddad aparecem empatados tecnicamente na corrida presidencial brasileira, segundo uma sondagem divulgada no domingo pelo instituto MDA e encomendada pela Confederação Nacional do Transporte (CNT).

Na sondagem, Bolsonaro obtém 28,2% das intenções de voto, enquanto Haddad alcança 25,2% da preferência dos entrevistados.

O debate foi promovido pelo canal televisivo da Rede Record.

Lusa

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.


Notícias relacionadas

Quando o cu de Caetano Veloso entra na campanha
Apesar do seu apoio público à tortura e à ditadura militar, o candidato de extrema-direita conta com a cumplicidade dos partidos de centro que governam o Brasil, pois estes preferem um candidato que promete metralhar os opositores a terem novo governo do PT.
Bolsonaro e Haddad rumam à segunda volta
Apesar de apoiado pelos grandes empresários e pelos grandes grupos de comunicação social o candidato apoiado pela maior parte do governo de Brasília não descola nas sondagens.
Facadas só dão dois pontos a Bolsonaro
A última sondagem no Brasil revela que o candidato da extrema-direita perde com todos na segunda volta e que 33% dos apoiantes de Lula prontificam-se a seguir as indicações de voto deste, na semana em que o PT formaliza Haddad como candidato.
PT confirma Lula como candidato e Bolsonaro escolhe general como vice
No último dia para os partidos políticos brasileiros apresentarem as suas candidaturas, ficou a saber-se que o PT mantém Lula, apesar de preso; e depois de várias negativas, o candidato da extrema-direita, o segundo mais votado nas sondagens depois de Lula, apontou o general Hamilton Mourão como seu companheiro de candidatura.