Escolha as suas informações

Boris Johnson: “Se Putin fosse uma mulher não teria começado esta guerra”
Mundo 3 29.06.2022
Polémica

Boris Johnson: “Se Putin fosse uma mulher não teria começado esta guerra”

Polémica

Boris Johnson: “Se Putin fosse uma mulher não teria começado esta guerra”

AFP
Mundo 3 29.06.2022
Polémica

Boris Johnson: “Se Putin fosse uma mulher não teria começado esta guerra”

Paula SANTOS FERREIRA
Paula SANTOS FERREIRA
A invasão deve-se à “masculinidade tóxica” e à “síndrome de homem pequeno” do líder russo, dizem o primeiro-ministro e o secretário da defesa britânicos. O Kremlin já respondeu.

O primeiro-ministro britânico não tem dúvidas. Se Vladimir Putin, de 69 anos, fosse uma mulher nunca teria invadido a Ucrânia.

"Se Putin fosse uma mulher, é óbvio que não é, não acredito realmente que ele tivesse embarcado nesta guerra machista louca" de “invasão e violência na Ucrânia” declarou Boris Johnson numa entrevista ao canal de televisão alemão ZDF na terça-feira à noite, à margem da cimeira do G7, na Alemanha.

O governante britânico vai mais longe: Esta guerra iniciada pela Rússia é "um exemplo perfeito de masculinidade tóxica”.

"Síndrome de homem pequeno"

Após estas declarações de Boris Johnson também o seu Secretário da Defesa, Ben Wallace acrescentou outros traços de personalidade do governante russo para justificar a invasão russa da Ucrânia.

O presidente Putin olha para o mundo através da sua “visão machista” e sofre da “síndrome de homem pequeno”, realçou Ben Wallace em declarações à rádio LBC, citadas pelo Bloomberg.

A síndrome de homem pequeno, também conhecida como “complexo de Napoleão”, é utilizada como estereotipo para descrever comportamentos agressivos ou dominadores dos homens com baixa estatura. 

 

 

“Eu considero que a visão que o Presidente Putin tem de si mesmo e do mundo é dada por esta síndrome de homem pequeno” que ele sofre, considera Bem Wallace. E, acrescenta: “Raramente se houve falar da síndrome de mulher pequena, é sempre a síndrome de homem pequeno”. Nas suas declarações este governante realça ainda que o líder russo é um “lunático”.


Militares ucranianos
Kremlin. "Guerra termina um dia" se ucranianos se renderem
A Rússia anunciou que só terminará a sua ofensiva na Ucrânia, iniciada há mais de quatro meses, quando as autoridades de Kiev e o exército ucraniano se renderem e aceitarem “todas as condições” russas.

A resposta do Kremlin

O Kremlin já respondeu às declarações de Boris Johnson sobre o seu líder. “O velho Freud durante a sua vida teria sonhado com tal objeto de estudo”, afirmou com ironia Dmitry Peskov, porta-voz do Kremlin citado pelo site da rádio russa Sputnik.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Entretanto, todos os intervenientes acreditam que o diálogo com Putin ainda é possível. O chanceler alemão vai amanhã a Moscovo, enquanto a NATO continua a enviar tropas para os países vizinhos. A Casa Branca teme que Putin fabrique um incidente para justificar a invasão.