Escolha as suas informações

Boris Johnson perde a maioria no parlamento britânico
Mundo 2 min. 03.09.2019 Do nosso arquivo online

Boris Johnson perde a maioria no parlamento britânico

Boris Johnson perde a maioria no parlamento britânico

Foto: AFP
Mundo 2 min. 03.09.2019 Do nosso arquivo online

Boris Johnson perde a maioria no parlamento britânico

O primeiro-ministro britânico enfrenta a oposição, a perda de um deputado dissidente para os Liberais Democratas e a rebelião de vários deputados da sua bancada.

O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, perdeu, esta terça-feira, a maioria que tinha no parlamento britânico depois de um conservador dissidente anunciar a sua passagem para o Partido Liberal Democrata. Boris não conseguiu manter a maioria parlamentar que tinha de um deputado composta pelo Partido Conservador e pelos unionistas da Irlanda do Norte.

Boris Johnson passa a ter um Governo minoritário, com apenas 319 assentos, se forem somados os 309 deputados do partido Conservador e os 10 dos aliados do Partido Democrata Unionista (DUP).

"Na oposição estão os 245 deputados do partido Trabalhista, 35 do partido Nacionalista Escocês (SNP), 13 Liberais Democratas, cinco do Grupo Independente para a Mudança, quatro do partido nacionalista galês Plaid Cymru e um do partido Verde.

Para estas contas não contam o presidente da Câmara dos Comuns, John Bercow, que é por inerência neutro, e a vice-presidente Eleanor Laing, que são conservadores e não votam, tal como as duas vice-presidentes trabalhistas da Câmara dos Comuns, Lindsay Hoyle e Rosie Winterton".

O dissidente Phillip Lee acusou Johnson de querer um Brexit selvagem. O parlamentar conservador britânico denunciou o primeiro-ministro por "perseguir um Brexit prejudicial sem qualquer princípio" antes de se juntar às fileiras liberais democratas. Philipp Lee, que em plena sessão da Câmara dos Comuns se levantou para se sentar ao lado dos seus novos companheiros, alegou num comunicado que o executivo "está a colocar em risco vidas e casas desnecessariamente e arriscando sem motivo a integridade do Reino Unido". "Em termos mais gerais, está a prejudicar a economia, a democracia e o papel do nosso país no mundo. Usa a manipulação política, o assédio e mentiras. E faz tudo isso de forma deliberada e intencional", acrescentou Lee numa nota contundente.

Nesta terça-feira, o líder britânico enfrenta a oposição e os rebeldes do seu próprio partido que contestam um Brexit sem acordo com a União Europeia. Os deputados opositores que chegaram ao parlamento depois de um período de férias entraram numa batalha para forçar uma resolução urgente que obrigue Boris Johnson a pedir mais dois meses à UE para evitar uma saída sem acordo.

Este dia pode ser vital para o adiamento do Brexit, marcado oficialmente para 31 de outubro, já que se espera que entre 10 e 20 deputados conservadores votem contra o seu próprio partido ao lado da oposição para impedir a saída sem acordo. Boris Johnson já ameaçou expulsar do partido os parlamentares que apoiarem a proposta da oposição.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas