Escolha as suas informações

Bolsonaro acusa Leonardo DiCaprio pelos incêndios na Amazónia
Mundo 29.11.2019

Bolsonaro acusa Leonardo DiCaprio pelos incêndios na Amazónia

Bolsonaro acusa Leonardo DiCaprio pelos incêndios na Amazónia

Foto: AFP
Mundo 29.11.2019

Bolsonaro acusa Leonardo DiCaprio pelos incêndios na Amazónia

"Leonardo DiCaprio, você está colaborando com as queimadas na Amazônia", disse o Presidente do Brasil num vídeo em direto no Facebook.

A primeira pedra foi atirada por Eduardo Bolsonaro, deputado e filho do Presidente brasileiro. Na sequência das prisões de vários líderes de organizações não governamentais do Pará, entretanto libertados por falta de provas, Eduardo acusou o ator norte-americano de financiar os incêndios que continuam a consumir a maior floresta mundial. 

Jair Bolsonaro fez questão de dizer que concorda com a acusação. Num vídeo em direto no Facebook não só voltou a apontar o dedo às ONGs como acusou Leonardo DiCaprio, nomeado Mensageiro da Paz pela ONU pela defesa do ambiente, de financiar e fazer doações aos ativistas "contra o Brasil". 

"Uma ONG ali pagou 70 mil reais por uma foto fabricada de queimada", disse. "O que é mais fácil? 'Toca' fogo no mato. Tira foto, filma, manda para a ONG, a ONG divulga, entra em contato com o Leonardo DiCaprio e o Leonardo DiCaprio doa 500 mil reais para essa ONG. Leonardo DiCaprio, você está colaborando com as queimadas na Amazónia", disse o chefe de Estado no vídeo visto por milhões de pessoas.  

Já antes, o filho Eduardo Bolsonaro usou as redes sociais para dizer o mesmo. Acusou Dicaprio de doar "300 mil reais para a ONG que tocou fogo na Amazónia". Em causa a WWF-Brasil que já veio negar todas as acusações. 

Entretanto, os quatro membros das ONG's alvo da Operação Fogo Sairé, deflagrada pela Polícia Civil do Estado do Pará, na quarta-feira, foram libertados menos de 24 horas depois. 

O Ministério Público Federal pediu acesso à investigação e determinou a libertação por não existirem quaisquer provas das acusações. 

O governardor do Estado, Helder Barbalho, ordenou a substituição do delegado responsável. Num vídeo divulgado no Twitter diz que o  "caso requer atenção, requer toda transparência necessária. Ninguém está acima da lei, mas ao mesmo tempo também ninguém pode ser vítima de prejulgamento ou ter seu direito à defesa cerceado".