Escolha as suas informações

Berlim, Viena e Praga mantêm fechadas fronteiras com países da lista da UE
Mundo 4 min. 01.07.2020

Berlim, Viena e Praga mantêm fechadas fronteiras com países da lista da UE

Berlim, Viena e Praga mantêm fechadas fronteiras com países da lista da UE

AFP
Mundo 4 min. 01.07.2020

Berlim, Viena e Praga mantêm fechadas fronteiras com países da lista da UE

Lusa
Lusa
Apesar das recomendações europeias, Alemanha, Áustria e República Checa fizeram as próprias regras e continuam a proibir viagens para vários países.

A Alemanha, a Áustria e a República Checa mantêm fechadas as fronteiras com países incluídos na lista de 15 Estados com os quais a União Europeia (UE) decidiu na terça-feira levantar restrições a partir deste 1 de julho. 

Alemanha exclui quatro 

A Alemanha anunciou o alívio das restrições aos viajantes de 11 países – Austrália, Canadá, China, Coreia do Sul, Geórgia, Japão, Montenegro, Nova Zelândia, Tailândia, Tunísia e Uruguai -, desde que também permitam a entrada de alemães.

Da lista divulgada pelo Ministério do Interior alemão não constam, todavia, quatro países com os quais a UE anunciou a reabertura de fronteiras. A saber: Argélia, Marrocos, Ruanda e Sérvia.

Berlim mantém assim a obrigatoriedade de apresentação de um teste recente à covid-19 ou realização de quarentena para os viajantes desses países, sendo as autoridades regionais responsáveis pela aplicação das medidas de limitação de entrada no país.

O critério, baseado nos dados de contágio do novo coronavírus de cada país, foi estabelecido pelo Instituto Robert Koch, a entidade responsável pela prevenção e controlo de doenças na Alemanha, e inclui outros países em relação aos quais a UE não recomendou a normalização das viagens como os Estados Unidos, a Rússia, o México ou a Venezuela.

Áustria barra viagens dos balcãs 

Na Áustria, também, o ministro dos Negócios Estrangeiros, Alexander Schallenberg, anunciou que o país mantém para já a proibição de viagens de ou para vários países não europeus e emitiu alertas aos viajantes para seis países dos Balcãs Ocidentais – Albânia, Bósnia, Kosovo, Macedónia do Norte, Montenegro e Sérvia -, apesar de os dois últimos integrarem a lista europeia.

O alerta, que adverte os austríacos para não viajarem para esses destinos e pede aos que lá estejam que regressem com urgência à Áustria, é justificado pelas autoridades com o elevado número de contágios e, segundo o ministro, foi decidido depois de terem sido detetados casos de infeção em pessoas que regressaram desses países.

Schallenberg admitiu que a medida afeta grande número de austríacos, dado que cerca de 530.000 pessoas, uns 6% da população da Áustria, são naturais ou descendentes de cidadãos da antiga Jugoslávia.

O ministro frisou a importância de “evitar uma segunda vaga” da pandemia e assegurou que a lista da UE é “uma recomendação” e, como tal, não é vinculativa.

Praga barra seis

A República Checa decidiu também manter as restrições a seis países incluídos na lista da UE – Argélia, Geórgia, Marrocos, Ruanda, Tunísia e Uruguai – e, em relação aos restantes, condicionar o levantamento de restrições à reciprocidade, isto é, à permissão de entrada nesses países de cidadãos checos.

O secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros checo, Martin Smolek, disse à Rádio Praga que gostaria de ter visto mais países dos Balcãs Ocidentais na lista europeia, aprovada na terça-feira por uma maioria qualificada dos Estados-membros.

27 reabrem fronteiras externas 

Os 27 decidiram na terça-feira reabrir as fronteiras externas a 15 países cuja situação epidemiológica consideraram satisfatória.

A lista de países terceiros aos quais será permitido retomar viagens “não indispensáveis” para a Europa integra Argélia, Austrália, Canadá, Geórgia, Japão, Montenegro, Marrocos, Nova Zelândia, Ruanda, Sérvia, Coreia do Sul, Tailândia, Tunísia, Uruguai e China.

Atendendo à situação epidemiológica atual, não receberam ainda ‘luz verde’ para retomar as ligações à Europa países como Estados Unidos, Rússia e Índia e Brasil, permanecendo também de fora da lista todos os Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP) e Timor-Leste.

O Conselho da UE – a instituição que reúne os 27 Estados-membros – reconheceu que esta recomendação de levantamento parcial e gradual das fronteiras externas não é um instrumento legalmente vinculativo, porque a gestão das fronteiras é da competência das autoridades nacionais.

Advertiu, contudo, que “um Estado-membro não deve decidir levantar restrições de viagens a países que não integrem a lista antes de tal ser decidido de forma coordenada” com os restantes, uma vez que, no quadro da livre circulação do espaço Schengen, a ação de um Estado-membro tem inevitavelmente reflexos nos restantes.

A UE encerrou as suas fronteiras externas a todas as viagens “não indispensáveis” em 17 de março, no quadro dos esforços para conter a propagação da covid-19.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Trinta anos de Schengen e de Europa sem fronteiras
O Acordo Schengen, que aboliu algumas fronteiras internas na Europa, foi assinado há 30 anos, no Luxemburgo. Esta manhã foram muitas as personalidades do Grão-Ducado e da Europa que assinalaram a data na pequena localidade do Grão-Ducado.