Escolha as suas informações

Berço de Hitler vai ser uma esquadra para impedir invocação do nazismo
Mundo 21.11.2019

Berço de Hitler vai ser uma esquadra para impedir invocação do nazismo

Berço de Hitler vai ser uma esquadra para impedir invocação do nazismo

Foto: Lino Mirgeler/dpa
Mundo 21.11.2019

Berço de Hitler vai ser uma esquadra para impedir invocação do nazismo

É preciso dar um "sinal inequívoco" de que a casa nunca se tornará num lugar para celebrar o Nacional Socialismo alemão.

A casa onde Hitler nasceu e passou os primeiras semanas de vida vai ser transformada numa esquadra da polícia. 

A decisão do governo da Áustria foi comunicada pelo ministro do Interior, Wolfgang Perschorn, que explica que é preciso dar um "sinal inequívoco" de que o edifício nunca se tornará num local de peregrinação e celebração do nazismo. 

"Ao ser usada pela polícia está a dizer-se que este edifício nunca mais evocará a memória do Nacional Socialismo", sublinhou o governante.  

O apartamento da casa do século XVII em Braunau am Inn foi a primeira morada do cérebro do Holocausto. Nasceu e viveu ali nas primeiras semanas de vida até a família ter decidido mudar-se para outra casa nas proximidades. 

Em frente ao edifício, que agora vai abrigar as autoridades, foi instalada uma placa há várias décadas com a inscrição "Pela paz, liberdade e democracia. Facismo nunca mais", para recordar os mais de seis milhões de mortos do regime não só em campos de concentração nazis como em perseguições políticas.

Nos últimos anos, o debate sobre o futuro do edifício foi aceso. Já foi um centro de dia para pessoas com deficiência que, na Constituição nazi de Weimar eram punidas com pena de morte. A BBC conta que só deixou de o ser porque a proprietária não permitiu que fossem feitas alterações no interior para permitir a circulação de cadeiras de rodas. 

Desde então, o governo austríaco fez questão de interferir no arrendamento da casa para evitar qualquer alusão a Adolf Hitler. Acabou por comprar o edifício contra a vontade da proprietária em 2016 por 800 mil euros. 

Não faltaram propostas sobre o destino a dar à casa amarela, entre elas a destruição, a instalação de um centro para refugiados ou um centro para organizações não governamentais. 

No próximo ano vai ser um posto da polícia, no país que pune com multas elevadas e pena de prisão a invocações ao nazismo e a negação do Holocausto.