Escolha as suas informações

Bélgica. Um morto em operação anti-terrorista ligada à extrema-direita
Mundo 28.09.2022
Polícia

Bélgica. Um morto em operação anti-terrorista ligada à extrema-direita

Agentes da polícia de guarda no local onde ocorreu uma troca de tiros fatal esta manhã, em Merksem, Antuérpia.
Polícia

Bélgica. Um morto em operação anti-terrorista ligada à extrema-direita

Agentes da polícia de guarda no local onde ocorreu uma troca de tiros fatal esta manhã, em Merksem, Antuérpia.
Foto: Jonas Roosens/Belga/AFP
Mundo 28.09.2022
Polícia

Bélgica. Um morto em operação anti-terrorista ligada à extrema-direita

AFP
AFP
As buscas "levaram à apreensão de um grande número de armas e munições", segundo a Procuradoria Federal.

Uma pessoa foi morta esta quarta-feira durante um tiroteio com a polícia durante uma operação contra um plano de "atentado terrorista" planeado por pessoas próximas da extrema-direita, disse a Procuradoria federal da Bélgica.

A investigação, conduzida por um juiz de instrução de Antuérpia, tem por alvo "um grupo suspeito de pertencer à extrema-direita", onde se suspeita de "infração à legislação das armas", de acordo com uma declaração das autoridades.


Membros de rede de extrema-direita e de oposição às medidas anticovid planeavam ataques e raptos na Alemanha
As autoridades alemãs detiveram quatro elementos de um grupo de extrema-direita que tinha como um dos alvos dos seus ataques o ministro da Saúde alemão, o social-democrata Karl Lauterbach.

Esta manhã, a polícia levou a cabo uma dúzia de buscas na Bélgica flamenga, nomeadamente em Ghent e Antuérpia, e foi durante uma delas onde teve lugar a fatal troca de tiros.

"Durante uma destas intervenções, decorreu uma troca de tiros entre a polícia e uma das pessoas presentes num edifício. Esta pessoa morreu", segundo o comunicado.

De acordo com relatos dos meios de comunicação belgas, o tiroteio fatal teve lugar em Merksem, um bairro da cidade de Antuérpia.

Vigilância da extrema-direita intensificou-se desde 2021

As buscas, acrescentou a Procuradoria Federal, "levaram à apreensão de um grande número de armas e munições, que terão de ser contabilizadas e analisadas nos próximos dias". "Algumas das armas estavam legalmente registadas", acrescentou.

A vigilância dos círculos de extrema-direita pelos serviços secretos e pelo poder judicial foi intensificada na Bélgica desde o caso de Jürgen Conings, um soldado radicalizado ligado à extrema-direita que fugiu do seu quartel com armas e munições na primavera de 2021.


Autoridades confirmam morte de militar de extrema-direita procurado desde maio
O caso de Conings abalou a Defesa belga devido às falhas na monitorização de elementos radicalizados no seio das forças armadas.

O soldado de 46 anos, listado pela agência belga de análise de ameaças terroristas (Ocam, no acrónimo em francês), era suspeito de querer atacar representantes do Estado belga e um conhecido virologista.

Foi encontrado morto numa área arborizada na província holandesa de Limburg após uma perseguição que durou mais de um mês. A investigação concluiu que tinha cometido suicídio com uma arma de fogo.

O Contacto tem uma nova aplicação móvel de notícias. Descarregue aqui para Android e iOS. Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas