Escolha as suas informações

"Bebé Trump" sobrevoa Londres como parte dos protestos contra Presidente dos EUA
Mundo 3 3 min. 04.06.2019

"Bebé Trump" sobrevoa Londres como parte dos protestos contra Presidente dos EUA

"Bebé Trump" sobrevoa Londres como parte dos protestos contra Presidente dos EUA

Foto: AFP
Mundo 3 3 min. 04.06.2019

"Bebé Trump" sobrevoa Londres como parte dos protestos contra Presidente dos EUA

O Museu de Londres pretende adquirir o balão gigante usado no protesto contra o Presidente dos EUA, na altura da sua primeira visita oficial ao Reino Unido, em 2018.

A nova versão do "bebé Trump", um balão gigante alaranjado que faz uma paródia ao Presidente dos EUA, Donald Trump, começou esta terça-feira a sobrevoar Londres como parte dos protestos planeados contra a visita do líder norte-americano.

Uma equipa de ativistas terminou de encher o enorme balão por volta das 10h00 em Londres (uma hora mais tarde no Luxemburgo), na Praça do Parlamento, uma hora antes do início oficial da manifestação organizada pelo grupo "Juntos contra Trump" em outro local central, a praça de Trafalgar.

Os primeiro manifestantes já começaram a reunir-se, esperando para marchar da praça de Trafalgar até a área do Parlamento, perto da residência oficial de Downing street, onde Trump e a primeira-ministra britânica, Theresa May, irão reunir-se hoje.

Na praça do Parlamento vê-se desde cedo um grupo de organizadores da manifestação, vestidos com fatos-macacos e bonés vermelhos onde se lê "Trump babysitters" (babás de Trump), que estabeleceram um cordão de segurança enquanto inflavam o balão laranja.

Também está a circular em Londres um robot gigante que parodia o Presidente norte-americano. O robot está a publicar no Twitter sentado sobre a tampa de uma sanita, ao mesmo tempo que profere frases como "Você é uma ‘fake news’" ou "Eu sou um génio muito equilibrado”, com um áudio que emite a voz de Trump. Esse robot, fabricado na China e que percorre a praça de Trafalgar, também simula o som de gases.

Foto: AFP

As estradas próximas à área do Parlamento também foram cortadas e polícias vigiam a rota pela qual os ativistas se movimentam.

O líder do principal partido da oposição, o trabalhista Jeremy Corbyn, deve falar aos manifestantes mais tarde "para mostrar solidariedade àqueles que [Trump] atacou nos Estados Unidos, em todo o mundo e [no Reino Unido]", de acordo com o político esquerdista.


Brexit. Trump recomenda saída sem acordo e sem pagar
Declarações polémicas acontecem dias antes da visita de Trump ao Reino Unido, onde será, inclusive, recebido pela rainha Isabel II.

Antecipando a reunião que o Presidente realizará hoje com Theresa May, a Scotland Yard montou uma enorme operação policial e de segurança e proibiu os manifestantes em Downing Street, que é o gabinete e residência oficial da primeira-ministra britânica.

Os manifestantes tinham inicialmente planeado protestar diante da residência oficial da primeira-ministra, algo totalmente descartado pela Polícia Metropolitana de Londres (Met).

Os organizadores chamaram o evento de hoje de "carnaval da resistência".

O Museu de Londres pretende adquirir o balão gigante usado no protesto contra o Presidente dos EUA, na altura da sua primeira visita oficial ao Reino Unido, em 2018.  O objetivo é juntar o boneco que faz uma paródia a Trump à sua coleção, juntamente com um balão gigante com a imagem do autarca londrino, Sadiq Khan, que foi lançado por apoiantes de Trump.  

O Presidente dos Estados Unidos e o autarca de Londres entraram publicamente em confronto, com Trump a considerar o autarca como um "total perdedor" numa mensagem publicada esta segunda-feira na rede social Twitter.

"Sadiq Khan, que fez um trabalho terrível como autarca de Londres, fez comentários desagradáveis sobre o Presidente dos Estados Unidos", publicou Trump no Twitter, acrescentando que Khan é um "total perdedor" que faria melhor concentrando-se na luta contra o crime em Londres.

Por seu lado, Sadiq Khan condena com regularidade as declarações e o comportamento do Presidente norte-americano.


Trump chega a Londres debaixo de críticas
O Presidente dos EUA mandou mais uma vez às urtigas a diplomacia e resolveu dizer aos britânicos quais são os melhores líderes para os governarem e que deviam sair da União Europeia sem acordo e sem pagarem o que devem.

Após a reunião e o almoço de trabalho que Trump vai ter hoje com Theresa May, ambos os políticos vão participar numa conferência de imprensa.

A quarta-feira será o último dia desta viagem oficial de três dias de Trump ao Reino Unido.

O dia será marcado pela cerimónia de comemoração dos setenta e cinco anos do desembarque e da Batalha da Normandia, evento que será realizado em Portsmouth (sul da Inglaterra) e que contará com a presença de Donald Trump e Isabel II.

Lusa


Notícias relacionadas