Escolha as suas informações

Austrália urge Facebook a levantar bloqueio ao país
Mundo 3 min. 19.02.2021

Austrália urge Facebook a levantar bloqueio ao país

Austrália urge Facebook a levantar bloqueio ao país

AFP
Mundo 3 min. 19.02.2021

Austrália urge Facebook a levantar bloqueio ao país

Lusa
Lusa
O primeiro-ministro australiano pediu hoje à norte-americana Facebook para levantar o bloqueio aos utilizadores do país e voltar a negociar com as empresas de comunicação social da Austrália.

No entanto, Scott Morrison alertou que outros países podem vir a seguir o exemplo do governo de Camberra obrigando as grandes empresas digitais "a pagar pelo jornalismo". 

O primeiro-ministro australiano disse que a decisão da empresa Facebook sobre o bloqueio do acesso de utilizadores deste país é "uma ameaça". O bloqueio fez aumentar a determinação do Governo australiano que quer fazer com que os gigantes tecnológicos paguem às empresas de comunicação social pelos conteúdos partilhados.  


"Desamigar Austrália". Facebook bloqueia páginas do país. Governo diz que não se deixa intimidar
Rede social bloqueou centenas de páginas na Austrália, incluindo de departamentos públicos essenciais, como forma de protesto contra a nova lei que obriga a rede a pagar pelos conteúdos de jornais partilhados.

"A ideia de desligar o acesso a portais, como eles fizeram ontem (quinta-feira), assim como todo o tipo de ameaças (...) não foi uma boa decisão por parte deles", disse Morrison aos jornalistas hoje em Camberra.

"Eles devem rapidamente ultrapassar isto e voltar à mesa (das negociações)", acrescentou. A indignação pública australiana sobre o bloqueio do Facebook foi notória até porque foi cortado o acesso, pelo menos de forma temporária, a informações sobre a pandemia de covid-19, serviços de saúde e serviços de emergência. 

Hoje os títulos dos jornais australianos escrevem "Faceblock" (numa alusão ao bloqueio) e "Não deem 'likes' à rede antissocial". Um artigo sobre a forma como as notícias falsas podem prejudicar o jornalismo na Austrália tem como título "Facebook só quer saber dos lucros, não das pessoas".

Alguns títulos estrangeiros também foram afetados, com comentários a desaparecem Facebook porque foram escritos nas páginas das empresas britânica Daily Telegraph e Sky News, que partilham os nomes dos títulos com as delegações australianas.

O bloqueio foi uma reação ao projeto de lei aprovado pela Câmara dos Representantes da Austrália, na quarta-feira à noite, que obriga as empresas Facebook e Google a pagar compensações aos jornais e meios de comunicação social australianos pelos conteúdos jornalísticos utilizados pelas plataformas digitais.

O projeto vai ter de ser aprovado pelo Senado que institucionaliza a legislação. A Google reagiu rapidamente fechando acordos de licenciamento de conteúdos com grandes empresas de comunicação social da Austrália sob o modelo News Showcase.  

A News Corp. de Rupert Murdoch anunciou um acordo com a Google que cobre a operação nos Estados Unidos, Reino Unido e Austrália. A Sevem West Media, um grande grupo de comunicação social australiano também fechou um acordo esta semana. A Nine Entertainment também anunciou estar prestes a fechar um pacto assim como a empresa pública Australian Broadcasting Corp. (ABC) que comunicou estar em pleno processo negocial. 

O primeiro-ministro australiano disse que discutiu os assuntos relacionados com o Facebook com o chefe do Executivo indiano, Narendra Modi, na quinta-feira. Morrison disse que também vai abordar a questão com os governos do Reino Unido, Canadá e França. "Existe um grande interesse sobre o que a Austrália pretende fazer", afirmou Morrison.

"É por isso que eu convidei, tal como fiz com a Google, a empresa Facebook para conseguirmos compromissos construtivos porque eles sabem que o que a Austrália fizer vai ser seguido pelas legislações ocidentais", acrescentou. O ministro das Finanças, Josh Frydenberg manteve uma conversa telefónica com o patrão da empresa Facebook, Mark Zuckerberg.

"Falamos sobre assuntos que faltam analisar e acordos e que as nossas respetivas equipas devem retomar. Vamos voltar a falar durante o próximo fim de semana", disse Frydenberg através do Twitter.  

O ministro disse ainda que a empresa Facebook estava a manter negociações construtivas com a Austrália sobre indemnizações antes de decidir "surpreendentemente" cortar o serviço.

O presidente da Comissão Executiva da News Corp Australia demonstrou uma opinião diferente sobre as negociações por parte da Facebook. 

A News Corp. detém a maior parte dos títulos da Austrália e segundo analistas internacionais quer utilizar o governo conservador australiano para obrigar as empresas Facebook e Google a pagarem indemnizações.  

"Esta legislação é puro protecionismo e que saiu da cabeça de Rupert Murdoch na tentativa de criar uma taxa contra os concorrentes", disse Jeff Jarvis, jornalista e professor da Universidade de Nova Iorque, Estados Unidos. 

A Facebook disse quinta-feira que a proposta legislativa australiana "confunde as relações entre a plataforma (digital) e as publicações que utilizam a rede".  Morrison disse que está disposto a "ouvi-los (Facebook) sobre aspetos técnicos" mas mantém-se determinado sobre a legislação.

 

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas