Escolha as suas informações

Ataques no Sri Lanka. Seis explosões causadas por bombistas, radicais islâmicos suspeitos
Mundo 21.04.2019

Ataques no Sri Lanka. Seis explosões causadas por bombistas, radicais islâmicos suspeitos

Ataques no Sri Lanka. Seis explosões causadas por bombistas, radicais islâmicos suspeitos

Foto: AFP
Mundo 21.04.2019

Ataques no Sri Lanka. Seis explosões causadas por bombistas, radicais islâmicos suspeitos

As imagens do circuito fechado de televisão revelaram que os suspeitos detonaram as bombas no restaurante e no corredor do hotel Shangri-La.

Pelo menos seis explosões que ocorreram esta manhã no Sri Lanka resultaram de bombistas suicidas, revelaram investigações iniciais, citadas pelo jornal britânico Daily Mirror, que apontam para radicais islâmicos na origem dos ataques.

De acordo com a edição online do Daily Mirror, as investigações aos ataques no Sri Lanka revelaram até agora que duas pessoas fizeram 'check-in' para o quarto 616 do hotel Shangri-La no sábado, 20 de abril, um dos quatro hotéis de luxo que foram hoje alvo de explosões em Colombo, capital do Sri Lanka.

As imagens do circuito fechado de televisão revelaram que os suspeitos detonaram as bombas no restaurante e no corredor do hotel.

Os investigadores suspeitam que foram usados explosivos C-4 com 25 quilos nos ataques ao hotel Shangria-La.

Os investigadores que invadiram o quarto 616 recuperaram material usado por radicais islâmicos, confirmaram fontes, citadas pelo Daily Mirror.

Segundo o mesmo jornal, ainda não é claro se os bombistas suicidas eram locais ou turistas internacionais que chegaram à ilha com vistos de turista.

Estão a decorrer outras investigações.

A capital, Colombo, foi hoje alvo de explosões em quatro hotéis de luxo e uma igreja.

Duas outras igrejas foram também alvo de explosões, uma em Negombo, a norte da capital e onde há uma forte presença católica, e outra ao leste do país.

A oitava explosão teve lugar num complexo de vivendas na zona de Dermatagoda.

As primeiras seis explosões ocorreram "quase em simultâneo", pelas 08:45 (03:15 em Portugal), de acordo com fontes policiais citadas por agências internacionais.

As oito explosões na ilha fizeram, pelo menos, 207 mortos e 469 feridos.

Lusa


Notícias relacionadas