Escolha as suas informações

Assange quer cooperar com Suécia para evitar extradição para os EUA
Mundo 2 min. 14.04.2019

Assange quer cooperar com Suécia para evitar extradição para os EUA

Assange quer cooperar com Suécia para evitar extradição para os EUA

Foto: dpa
Mundo 2 min. 14.04.2019

Assange quer cooperar com Suécia para evitar extradição para os EUA

Ele vai “contestar e combater” o pedido de extradição, declarou à imprensa, após a sua comparência em tribunal, a sua advogada Jennifer Robinson, para quem a detenção de Julian Assange “cria um perigoso precedente para os órgãos de comunicação social e os jornalistas” em todo o mundo.

 A advogada de Julian Assange, Jennifer Robinson, disse hoje que o fundador do WikiLeaks está preparado para cooperar com as autoridades suecas caso peçam a sua extradição, sublinhando que a prioridade é evitar uma extradição para os Estados Unidos.

Julian Assange está preso em Londres, depois de ter sido detido na quinta-feira na embaixada do Equador em Londres, onde esteve refugiado sete anos.

Assange pediu asilo político naquela embaixada em agosto de 2012 para não ser extraditado para a Suécia, em que era acusado de violação, num caso entretanto arquivado.

O cidadão australiano de 47 anos foi detido devido a um mandado de extradição norte-americano por “pirataria informática”, que será analisado numa audiência judicial a 2 de maio, e a um mandado emitido em junho de 2012 pela justiça britânica por não-comparência em tribunal, um crime passível de ser punido com um ano de prisão.

Ele vai “contestar e combater” o pedido de extradição, declarou à imprensa, após a sua comparência em tribunal, a sua advogada Jennifer Robinson, para quem a detenção de Julian Assange “cria um perigoso precedente para os órgãos de comunicação social e os jornalistas” em todo o mundo.

O australiano é formalmente acusado nos Estados Unidos de associação criminosa com vista a cometer “pirataria informática”, punível com uma pena máxima de cinco anos de prisão, revelou hoje o Departamento de Justiça norte-americano.

É também acusado de ter ajudado a ex-analista dos serviços secretos norte-americanos Chelsea Manning a obter uma palavra-passe para aceder a milhares de documentos classificados como segredos de defesa.

Em causa a liberdade de imprensa?

Uma acusação bastante contestável, segundo muito jornalistas de investigação, como os do site The Intercept, que avisam que o alvo da acusação não é Assange em particular mas o jornalismo de investigação em geral. 

 Assange é acusado, pelos EUA, de tentar ajudar Manning a ligar-se aos computadores do Departamento de Defesa empregando um nome de utilizado diferente, para que ela pudesse manter seu anonimato enquanto fazia o download de documentos de interesse público e os encaminhava ao WikiLeaks para publicação.

Por outras palavras, a denúncia pretende criminalizar aquilo que não apenas é permitido aos jornalistas, mas também representa um requisito ético de sua atividade: tomar medidas para preservar o anonimato das fontes. Como afirmou o ex-advogado de Assange, Barry Pollack: “as alegações factuais (…) resumem-se ao encorajamento de uma fonte a fornecer informação e à tomada de medidas para proteger a identidade dessa fonte. Jornalistas de todo o mundo deveriam estar profundamente perturbados por essas acusações criminais sem precedentes.”

É por isso que a acusação, segundo os jornalistas do The Intercept, representa uma ameaça tão grave à liberdade de imprensa. Ela caracteriza como condutas criminosas diversas ações que os jornalistas não apenas podem, mas devem tomar para praticar uma atividade jornalística sensível na era digital.

Lusa

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.


Notícias relacionadas

Parlamentares britânicos não querem que Assange seja extraditado para os EUA
Cerca de 70 deputados, a maioria dos quais pertencem ao Partido Trabalhista, subscreveram uma carta dirigida ao secretário do Interior, Sajid Javid, para que “faça tudo o que estiver ao seu alcance para assegurar que Julian Assange seja extraditado para a Suécia, no caso de a Suécia realizar esse pedido de extradição”