Escolha as suas informações

Assalto ao Capitólio. Comissão de inquérito quer depoimento de filha de Donald Trump
Mundo 20.01.2022
Investigação

Assalto ao Capitólio. Comissão de inquérito quer depoimento de filha de Donald Trump

Investigação

Assalto ao Capitólio. Comissão de inquérito quer depoimento de filha de Donald Trump

AFP
Mundo 20.01.2022
Investigação

Assalto ao Capitólio. Comissão de inquérito quer depoimento de filha de Donald Trump

Lusa
Lusa
Esta é a primeira vez que um membro da família Trump é convidado diretamente a cooperar com a investigação dos acontecimentos de 6 de janeiro de 2021.

A comissão enviou uma carta a Ivanka - que foi conselheira da Casa Branca - pedindo uma reunião para o início de fevereiro, com o objetivo de discutir as ações do pai na invasão ao Capitólio, incluindo um telefonema que dizem que ela testemunhou enquanto Donald Trump tentava pressionar o seu vice-Presidente, Mike Pence, para que este rejeitasse a validação dos resultados eleitorais de 2020.

"Os depoimentos obtidos pela comissão indicam que membros da equipa da Casa Branca solicitaram a ajuda [de Ivanka Trump] em várias ocasiões para intervir na tentativa de persuadir o Presidente Trump a travar a ilegalidade e a violência em curso no Capitólio", escreveu o presidente da comissão de inquérito, Bennie Thompson.

No início desta semana, a comissão emitiu intimações para Rudy Giuliani e para outros membros da equipa jurídica de Trump que apresentaram queixas sobre a alegada falta de transparência das eleições presidenciais de 2020.

Esta é a primeira vez que um membro da família Trump é convidado diretamente a cooperar com a investigação dos acontecimentos de 6 de janeiro de 2021.

Na terça-feira, a comissão de inquérito convocou quatro ex-assessores de Trump para testemunhar, incluindo o ex-presidente da Câmara de Nova Iorque e advogado, Rudy Giuliani. Se eles recusarem, poderão ser acusados de desrespeito, como aconteceu até agora com três outros ex-assessores de Trump: o ex-chefe de gabinete Mark Meadows, o ex-procurador-geral assistente Jeffrey Clark e o ex-assessor e diretor de campanha Steve Bannon.

Na quarta-feira, o Supremo Tribunal rejeitou um pedido de Trump para não serem revelados cerca de 700 documentos sobre o ataque ao Capitólio, abrindo a porta para que venham a ser entregues à comissão de inquérito.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas