Escolha as suas informações

Argentina. Presidente eleito recusa parte do empréstimo do FMI
Mundo 27.11.2019

Argentina. Presidente eleito recusa parte do empréstimo do FMI

Argentina. Presidente eleito recusa parte do empréstimo do FMI

AFP/Juan Mabromata
Mundo 27.11.2019

Argentina. Presidente eleito recusa parte do empréstimo do FMI

Alberto Fernandez recusou os 11 mil milhões de euros que faltam do empréstimo contraído pelo antecessor Mauricio Macri.

Ainda não tomou posse mas já recusou parte do maior empréstimo concedido pelo Fundo Monetário Internacional (FMI). Alberto Fernandez recusou receber os 11 mil milhões de dólares que faltam do empréstimo total de 57 mil milhões de dólares, que equivale a 51 mil milhões de euros.

"O que eu quero é deixar de pedir e que eles me deixem pagar", disse o peronista que sucede ao conservador Mauricio Macri na Casa Rosada já no próximo dia 10 de dezembro.  

"Então eu estou com um problema enorme em mãos e vou pedir mais 11 mil milhões?", questionou recordando a grave crise económica que afeta o país há mais de dois anos. Em declarações à imprensa reiterou que o objetivo do governo que integra como vice-presidente Cristina Kirchner é "relançar a economia para poder pagar e resolver o problema da dívida com bom senso". 

As previsões do FMI para o próximo ano continuam no vermelho. Os técnicos preveem que a economia deverá contrair na ordem dos 3,1%. 

Há cerca de um ano, em dezembro de 2018, o FMI suspendeu um desembolso de 5,4 mil milhões de dólares - 4,9 mil milhões de euros - depois do anterior governo conservador não ter cumprido as metas acordadas. As agências de notação financeira preveem que no fim deste ano a inflação no país ultrapasse os 50%.