Escolha as suas informações

Anexação de regiões ucranianas. "Passam a ser nossos cidadãos para sempre"
Mundo 2 30.09.2022
Vladimir Putin

Anexação de regiões ucranianas. "Passam a ser nossos cidadãos para sempre"

Os chefes nomeados por Moscovo da região de Kherson, Vladimir Saldo; Zaporizhzhia, Yevgeny Balitsky; o Presidente russo Vladimir Putin; o líder separatista de Donetsk, Denis Pushilin, e o líder separatista de Lugansk, Leonid Pasechnik
Vladimir Putin

Anexação de regiões ucranianas. "Passam a ser nossos cidadãos para sempre"

Os chefes nomeados por Moscovo da região de Kherson, Vladimir Saldo; Zaporizhzhia, Yevgeny Balitsky; o Presidente russo Vladimir Putin; o líder separatista de Donetsk, Denis Pushilin, e o líder separatista de Lugansk, Leonid Pasechnik
Foto: AFP
Mundo 2 30.09.2022
Vladimir Putin

Anexação de regiões ucranianas. "Passam a ser nossos cidadãos para sempre"

Redação
Redação
Putin está a reivindicar cerca de 15% da área terrestre da Ucrânia, que representa a maior anexação forçada na Europa desde a Segunda Guerra Mundial.

Os tratados de anexação das regiões ucranianas de Donetsk, Lugansk, Kherson e Zaporijia, foram assinados pelo Presidente russo, Vladimir Putin, no Grande Palácio do Kremlin, sede da Presidência, esta sexta-feira. Esta é a maior apropriação de terras da Europa desde a Segunda Guerra Mundial. 

Os líderes separatistas dos quatro territórios ucranianos, Denis Pushilin (Donetsk), Leonid Pasechnik (Lugansk), Vladimir Saldo (Kherson) e Yevgeny Balitsky (Zaporijia), estiveram presentes. 

Num discurso de 40 minutos, Putin prometeu a sua anexação de quatro regiões ocupadas na Ucrânia é irreversível. "Passam a tornar-se nossos cidadãos para sempre", disse. 

O Presidente exigiu à Ucrânia que parasse de lutar e iniciasse conversações, mas recusou negociar sobre os territórios que está a absorver. "Utilizaremos todos os meios ao nosso alcance para defender as nossas terras", garantiu.

As Nações Unidas denunciaram a anexação como ilegal. O Presidente ucraniano Volodymyr Zelenskiy condenou a medida, prometendo prosseguir com a contraofensiva. O diálogo "é impossível com este presidente russo". 

Putin está a reivindicar cerca de 15% da área terrestre da Ucrânia, que representa a maior anexação forçada na Europa desde a Segunda Guerra Mundial. "Isto é comparável à Áustria e à Bélgica juntas. Ou a Dinamarca, Bélgica e Países Baixos juntos. Ou 30% da Alemanha", disse a primeira-ministra da Estónia, Kaja Kallas, garantindo que "a Rússia tenta reescrever o mapa da Europa". 

Em resposta, os EUA acrescentaram centenas de funcionários russos, incluindo o banqueiro central de Putin e o chefe da energia, à sua lista de sanções. "Não vamos ficar parados enquanto Putin tenta fraudulentamente anexar partes da Ucrânia", disse a Secretária do Tesouro, Janet L. Yellen. A União Europeia também planeia novas restrições. 


O Contacto tem uma nova aplicação móvel de notícias. Descarregue aqui para Android e iOS. Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

O Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, disse, durante uma entrevista televisiva na segunda-feira, que não vai insistir na adesão da Ucrânia à NATO, uma das questões que motivaram oficialmente a invasão russa.