Escolha as suas informações

Análise à Caixa Negra do A320: Andreas Lubitz, co-piloto do avião da Germanwings, trancou-se no cockpit e provocou queda do Airbus
Andreas Lubitz, 28 anos, no seu perfil do Facebook que entretanto já foi eliminado. O co-piloto provocou a queda deliberada do avião da Germanwings

Análise à Caixa Negra do A320: Andreas Lubitz, co-piloto do avião da Germanwings, trancou-se no cockpit e provocou queda do Airbus

Facebook
Andreas Lubitz, 28 anos, no seu perfil do Facebook que entretanto já foi eliminado. O co-piloto provocou a queda deliberada do avião da Germanwings
Mundo 26.03.2015

Análise à Caixa Negra do A320: Andreas Lubitz, co-piloto do avião da Germanwings, trancou-se no cockpit e provocou queda do Airbus

O copiloto do avião da Germanwings que se despenhou na terça-feira nos Alpes franceses foi o responsável pela queda do avião, iniciando deliberadamente a descida e recusando abrir a porta do 'cockpit' ao piloto, revelou hoje o principal investigador.

Em conferência de imprensa, o procurador Brice Robin afirmou que o copiloto, identificado como Andreas Lubitz, 28 anos, "iniciou deliberadamente a descida” do avião, que acabou por embater numa montanha matando todas as 150 pessoas a bordo.

Lubitz, de nacionalidade alemã, “carregou no botão para baixar a altitude do avião” por uma “razão que ainda não é conhecida” dos investigadores, mas que “parece ser o desejo de destruir o avião”, disse.

“O copiloto estava sozinho aos comandos”, disse Robin, que apresentou as conclusões da análise à gravação dos sons do aparelho recuperada de uma das caixas negras do Airbus A320.

“Ele recusou abrir a porta do ‘cockpit’ ao piloto”.

Andreas Lubitz não estava referenciado por terrorismo, disse, acrescentando que as autoridades esperam divulgar mais pormenores sobre a sua experiência e vida privada ainda hoje ou na sexta-feira.

Depois de acionar a descida do aparelho, Lubitz não disse “uma única palavra” durante os 10 minutos que passaram até se dar o embate.

Nos primeiros 20 minutos de voo, disse o procurador, piloto e copiloto conversaram de forma “normal e afável”. As respostas de Lubitz tornam-se depois “lacónicas”, quando o piloto preparou o relatório para a aterragem em Düsseldorf (Alemanha).



“Depois, ouve-se o piloto pedir ao copiloto para tomar o comando, um assento a ser deslocado para trás e uma porta a fechar”, disse o procurador, acrescentando que o piloto saiu provavelmente para ir à casa de banho.

“O copiloto ficou sozinho aos comandos. Ouvimos vários pedidos do piloto para entrar no ‘cockpit’. Não há resposta do copiloto”, disse.

Até ao último momento, ouve-se o som de “respiração normal”, o que significa que o copiloto estava vivo até ao momento do impacto.

Nos últimos minutos, ouve-se bater na porta do ‘cockpit’, assim como alarmes.

Só nos últimos momentos se ouvem gritos dos passageiros, prosseguiu, concluindo que os ocupantes do avião tiveram “morte instantânea”.

Segundo a Lufthansa, companhia “mãe” da Germanwings, o copiloto entrou para a companhia em setembro de 2013 e tinha 630 horas de voo.


Notícias relacionadas

Polícia está a efectuar buscas à casa do piloto da Germanwings
A polícia alemã está a proceder a buscas na casa do piloto da Germanwings que na terça-feira terá voluntariamente provocado a descida da aeronave provocando a morte a 149 pessoas. A pequena cidade de Montabaur, com aproximadamente 13.000 habitantes, fica na região da Renânia-Palatinado e está em sobressalto.
A polícia alemã está a proceder a buscas na casa do piloto da Germanwings
Co-piloto trancou-se no cockpit e provocou queda de avião
A informação está a ser transmitida por todos os meios-de comunicação que estão a acompanhar em directo a conferência de imprensa do Procurador de Marselha. Os primeiros dados da análise à caixa negra revelam que o co-piloto provocou a queda do avião. [Em actualização]