Escolha as suas informações

Alemanha decide sobre vacinação obrigatória até ao fim do ano
Mundo 30.11.2021
Covid-19

Alemanha decide sobre vacinação obrigatória até ao fim do ano

Covid-19

Alemanha decide sobre vacinação obrigatória até ao fim do ano

Foto: DPA
Mundo 30.11.2021
Covid-19

Alemanha decide sobre vacinação obrigatória até ao fim do ano

Lusa
Lusa
A Alemanha tinha, até agora, afastado a opção radical de impor a vacinação obrigatória, adotada pela vizinha Áustria. Futuro chanceler alemão é a favor.

 O parlamento alemão vai pronunciar-se até ao final deste ano sobre uma lei que impõe a vacinação contra a covid-19 a toda a população para evitar o aumento das infeções, anunciou esta terça-feira o futuro chanceler, Olaf Scholz.

“A minha proposta é que (…) os deputados façam uma proposta ao parlamento” sobre a vacinação obrigatória, declarou numa entrevista à estação televisiva Bild TV o social-democrata que se prepara para assumir a chefia do novo Governo alemão, precisando que esse texto deverá ser apresentado “este ano”, para entrar em vigor em fevereiro ou março do próximo ano.

A Alemanha tinha, até agora, afastado a opção radical de impor a vacinação obrigatória, adotada pela vizinha Áustria.

Nova vaga pandémica faz Governo repensar vacinação obrigatória

Mas o debate sobre esta questão subiu de tom nas últimas semanas, à medida que o país era duramente atingido por uma nova vaga pandémica.

A obrigatoriedade da vacinação foi recentemente decidida para as pessoas que trabalham em lares de terceira idade e hospitais, bem como para os membros da Bundeswehr (Forças Armadas Unificadas da Alemanha), e entrará em breve em vigor.

Realizou-se esta terça-feira uma reunião de emergência entre a chanceler cessante, Angela Merkel, a futura coligação governamental de Olaf Scholz e os líderes das regiões para analisar diferentes medidas destinadas a combater a quarta vaga da pandemia de covid-19, entre as quais a vacinação obrigatória.

Na reunião, o futuro chanceler declarou-se, tal como a sua equipa, a favor dessa decisão.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas