Escolha as suas informações

Alberto Fernández é o novo Presidente da Argentina
Mundo 2 min. 10.12.2019 Do nosso arquivo online

Alberto Fernández é o novo Presidente da Argentina

Alberto Fernández é o novo Presidente da Argentina

AFP
Mundo 2 min. 10.12.2019 Do nosso arquivo online

Alberto Fernández é o novo Presidente da Argentina

Ana Patrícia CARDOSO
Ana Patrícia CARDOSO
O peronista de centro-esquerda Alberto Fernández foi esta terça-feira, 10, investido como Presidente da Argentina, após ter prestado juramento diante no parlamento.

Alberto Fernández, um advogado de 60 anos, sucede na Presidência argentina ao liberal Mauricio Macri e irá governar o país sul-americano, a terceira maior economia da região, até finais de 2023. A 27 de outubro, Fernandez conseguiu 48% dos votos, vencendo Macri, que teve 40,4%.

A cerimónia da tomada de posse também foi acompanhada nas ruas pelos apoiantes de Fernández. Após ter prestado juramento, o novo presidente recebeu a faixa presidencial, entregue por Mauricio Macri, o grande derrotado das eleições. 

Alberto Fernandez e Mauricio Macri.
Alberto Fernandez e Mauricio Macri.
AFP

No dia 8, Fernandez publicava no Twitter que neste dia 10 "começa o caminho para colocar a Argentina de pé, outra vez. Estão todos convidados a fazer parte." 

No seu primeiro discurso como chefe de Estado, Alberto Fernández apelou à construção de um "novo contrato social solidário", bem como pediu aos argentinos que "superem o muro de ódio e de rancor" que divide o país. 

Membro destacado do Partido Justicialista, (ex-Partido Peronista, centro-esquerda), Alberto Fernández foi chefe de gabinete dos ex-presidentes Nestor Kirchner e de Cristina Kirchner, que será agora sua vice-Presidente.

Alberto Fernandez e Cristina Fernandez de Kirchner
Alberto Fernandez e Cristina Fernandez de Kirchner
AFP

Na campanha eleitoral prometeu empenhar-se num acordo nacional envolvendo diferentes setores -políticos, empresariais, sindicais e sociais - para tirar a Argentina da crise económica.

Atualmente, a Argentina enfrenta uma taxa de pobreza de 35% e tenta pagar a dívida que tem ao Fundo Monetário Internacional (FMI). A economia argentina deverá recuar 3% até ao final do ano corrente, com uma inflação na ordem dos 55%.

A chegada de Alberto Fernández à Presidência, que representa uma viragem ideológica na chefia do Estado argentino, já começou a ter repercussões a nível regional, num momento de ressurgimento de forças de direita no hemisfério sul, e já levou a uma degradação da relação com o Brasil, maior parceiro comercial da Argentina.

Logo no discurso de vitória, Alberto Fernández defendeu a libertação do "injustamente preso" ex-Presidente brasileiro Lula da Silva, o que levou o Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, a recusar assistir à tomada de posse do homólogo argentino. É a primeira vez em 17 anos que um chefe de Estado do Brasil não participa na tomada de posse de um Presidente da Argentina. 

A família pouco convencional

O novo presidente namora com Fabiola Yañez, de 38 anos. Os dois vão mudar-se para a residência oficial, em Olivos. 

Estanislao é o único filho de Fernánde de um relacionamento anterior, apresenta-se como, Dyhzy, uma drag queen das festas em Buenos Aires. É um apoiante da causa LGBT. 



Notícias relacionadas

Adios Muchachos. Centro-esquerda volta ao governo da Argentina
Chegou ao fim o mandato de Maurício Macri na Casa Rosada. Eleito Presidente, Alberto Fernandéz tem pela frente a renegociação do maior empréstimo de sempre do FMI numa “negociação dura” que pode ter impacto na redefenição das forças políticas do continente.