Escolha as suas informações

Agência Europeia Medicamento aprova vacina da Pfizer-BioNTech
Mundo 2 min. 21.12.2020 Do nosso arquivo online

Agência Europeia Medicamento aprova vacina da Pfizer-BioNTech

Agência Europeia Medicamento aprova vacina da Pfizer-BioNTech

Foto: AFP
Mundo 2 min. 21.12.2020 Do nosso arquivo online

Agência Europeia Medicamento aprova vacina da Pfizer-BioNTech

Lusa
Lusa
A decisão “é válida para os 27 Estados-membros, ao mesmo tempo”.

A Agência Europeia do Medicamento (EMA) aprovou hoje a utilização da vacina da Pfizer-BionNTech contra a covid-19, que poderá assim começar a ser administrada na União Europeia ainda este ano.

“Apraz-me anunciar que o comité científico da EMA reuniu-se hoje e recomendou uma autorização condicional de mercado na UE para a vacina desenvolvida pela BioNTech e pela Pfizer. A nossa opinão científica abre caminho à primeira autorização de mercado para uma vacina contra a covid-19 na UE”, anunciou a diretora-executiva da entidade que regula a aprovação de medicamentos na UE, Emer Cooke.

Numa conferência de imprensa desde Amesterdão, Cooke apontou que a decisão “é válida para os 27 Estados-membros, ao mesmo tempo”, e comentou que a mesma constitui “um passo significativo em frente na luta contra esta pandemia”.

Para que a esta vacina possa começar a ser comercializada e administrada na UE, resta agora a aprovação pela Comissão Europeia, o que deverá acontecer no espaço de 48 horas, permitindo assim que a campanha de vacinação arranque nos Estados-membros a partir de 27 de dezembro, como anunciara a presidente do executivo comunitário, Ursula von der Leyen.

Reportando-se ao “debate intenso dos últimos meses na praça pública” sobre o desenvolvimento de vacinas contra a covid-19, “com uns a pedirem maior rapidez na aprovação e outros a manifestarem receio de o processo estar a ser acelerado”, a diretora-executiva da EMA fez questão de deixar a garantia de que a agência atuou de forma autónoma, orientando-se “pela força das provas científicas, e nada mais”.


Xavier Bettel e Paulette Lenert
Vacinação começa dia 28 dezembro para pessoas prioritárias
O primeiro-ministro anunciou que a vacina da Pfizer foi autorizada esta segunda-feira. Primeiro, os profissionais de saúde e, logo em seguida, os idosos.

“Deixem-me dizer isto muito claramente: embora tenhamos feito todos os esforços para acelerar o nosso processo de avaliação, garantir a segurança da vacina foi a nossa prioridade ‘número um’. Estas vacinas serão administradas a milhões de pessoas na UE, e nós estamos bem conscientes da enorme responsabilidade que temos”, declarou.

Cooke apontou que a conclusão de hoje, que se “baseia em dados de ensaios clínicos em mais de 40 mil participantes e tem em conta informação adicional [fornecida pelas farmacêuticas norte-americana Pfizer e alemã BioNTech], incluindo no fim-de-semana”, é que “a vacina cumpre os exigentes padrões da EMA” e “mostra de forma convincente que os benefícios são maiores que os riscos”.

Apontando que ainda é necessário estudar de forma mais aprofundada a nova variante do SARS-CoV-2 que apareceu no Reino Unido, a EMA apontou, todavia, que “é altamente provável que esta vacina seja também eficaz contra a nova estripe” do vírus.

A vacina desenvolvida conjuntamente pelos laboratórios Pfizer e BioNTech (Alemanha) é assim a primeira a ser aprovada para utilização na UE. Esta mesma vacina já começou a ser administrada em vários países ocidentais, como por exemplo no Reino Unido e nos Estados Unidos.

Além desta vacina da Pfizer e BioNTech, a Comissão Europeia já tem uma carteira com seis outras potenciais vacinas, desenvolvidas pela AstraZeneca, Sanofi-GSK, Johnson & Johnson, CureVac e Moderna.

Esta última deverá ser a próxima a receber ‘luz verde’ da EMA, estando o parecer da agência europeia provisoriamente agendado para 06 de janeiro, revelou hoje mesmo Emer Cooke.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Bruxelas havia adquirido 200 milhões de doses desta vacina, que contava que fossem administradas até setembro de 2021, tendo agora decidido reservar mais 100 milhões de doses, mesmo contando dispor muito em breve de outras vacinas contra a covid-19, dado ter uma ampla carteira de potenciais vacinas.