Escolha as suas informações

A extrema-direita já venceu em Espanha
Editorial Mundo 09.11.2019

A extrema-direita já venceu em Espanha

A extrema-direita já venceu em Espanha

Foto: AFP
Editorial Mundo 09.11.2019

A extrema-direita já venceu em Espanha

Nuno RAMOS DE ALMEIDA
Nuno RAMOS DE ALMEIDA
Problemas políticos só têm soluções políticas. A deriva eleitoral espanhola, em busca do voto fácil do chauvinismo, vai resultar apenas numa violência e repressão crescentes. O que quer dizer que a extrema-direita ganhou, mesmo que não tenha a maioria dos votos no próximo domingo.

Não estou a falar do facto de o Vox, partido praticamente inexistente há duas eleições, se poder tornar no terceiro partido espanhol com mais de 50 deputados, estou a dizer que a extrema-direita já venceu em Espanha por uma razão muito mais importante: as suas ideias infectaram praticamente todos os outros partidos. 

PP, Ciudadanos e Vox votaram no parlamento da região de Madrid uma moção que pede a ilegalização de todos os partidos independentistas, dando um passo mais, caso ganhem, para o estabelecimento de um regime à turca em Espanha. Falta pouco para os nacionalistas espanholistas imponham uma espécie de "democracia" musculada ou "ditamole" ao país.

O líder do PSOE e atual primeiro-ministro, Pedro Sánchez, - retomando as palavras do antigo vice-presidente de Felipe González, Alfonso Guerra, que garantia ufano que o governo dele tinha ultrapassado a separação de poderes, defendida por Montesquieu, durante o caso dos esquadrões da morte dos GAL criados pelo governo de Madrid -  defendeu que a procuradoria cumpria as suas ordens no caso da prisão e pedido de extradição dos independentistas da Catalunha. E depois de há uns anos pugnar por uma Espanha plurinacional, virou-se à cata do voto da extrema-direita, para a ideia de mão de ferro contra todos que não concordam com uma Espanha com centro único em Madrid. 

Até o líder do Podemos vem garantir que os independentistas catalães presos, por terem organizado uma consulta popular para conseguir a independência da Catalunha, "não estão presos pelas suas ideias mas por atos". Recuperando, sem o saber, a ideia salazarenta que as pessoas podem até ter ideias na intimidade da sua cabeça, mas se não fizerem nada e estiverem caladinhos, não são presos.

Problemas políticos só têm soluções políticas. A deriva eleitoral espanhola, em busca do voto fácil do chauvinismo, vai resultar apenas numa violência e repressão crescentes. O que quer dizer que a extrema-direita ganhou, mesmo que não tenha a maioria dos votos no próximo domingo. 

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.


Notícias relacionadas

Catalunha. A guerra no paraíso
Um ano e um dia depois do 1 de outubro, em que milhões de catalães votaram sob cargas policiais que deixaram quase um milhar de feridos, a violência voltou às ruas. Os polícias foram pintados de todas as cores e os manifestantes tentaram tomar o parlamento. Aqui fica uma crónica datada de uma guerra que não acabou.
Parlamento catalão declara independência unilateral
O parlamento regional da Catalunha aprovou hoje, em Barcelona, a independência da região e a separação de Espanha numa votação sem a presença dos principais partidos que se opõem à proposta, que abandonaram a sala minutos antes.
People celebrate after Catalonia's parliament voted to declare independence from Spain in Barcelona on October 27, 2017. 
Catalonia's parliament voted to declare independence from Spain and proclaim a republic, just as Madrid is poised to impose direct rule on the region to stop it in its tracks. A motion declaring independence was approved with 70 votes in favour, 10 against and two abstentions, with Catalan opposition MPs walking out of the 135-seat chamber before the vote in protest at a declaration unlikely to be given official recognition.
 / AFP PHOTO / PAU BARRENA