Escolha as suas informações

A estranha síndrome que afeta crianças um mês após terem tido covid-19
Mundo 3 min. 09.03.2021 Do nosso arquivo online

A estranha síndrome que afeta crianças um mês após terem tido covid-19

A estranha síndrome que afeta crianças um mês após terem tido covid-19

Foto: AFP
Mundo 3 min. 09.03.2021 Do nosso arquivo online

A estranha síndrome que afeta crianças um mês após terem tido covid-19

Bruno Amaral de Carvalho
Bruno Amaral de Carvalho
Pediatras espanhóis relataram ao El País dados mais completos sobre esta sequela do SARS-CoV-2 em crianças e jovens.

Um mês depois da primeira vaga da pandemia ter eclodido, pediatras de toda a Espanha começaram a detetar casos de uma síndrome tão estranha que nem sequer tinha um nome. Já se estava a tornar claro que o SARS-CoV-2 causa doenças graves, especialmente em pessoas idosas ou com outras doenças. Por isso foi tão difícil para os investigadores encontrar crianças que quatro a seis semanas após terem sido infetadas, quando já estavam completamente saudáveis, adoeceram com febre contínua, inchaços generalizados e outros sintomas que punham a vida em perigo.

"Eram crianças dos 8 aos 14 anos que chegaram com fortes dores abdominais e febre durante vários dias", recordou ao El País Alberto García-Salido, pediatra nos Cuidados Intensivos do Hospital Niño Jesús, em Madrid. "Não tinham sintomas respiratórios como os adultos. A primeira coisa que pensávamos é que era apendicite; depois pensávamos que era uma síndrome inflamatória devido a uma infeção bacteriana", explicou.

Os doentes apresentavam também olhos vermelhos, fraqueza, febre contínua, náuseas, vómitos e tensão arterial baixa. Em poucos dias, a situação pode complicar-se, obrigando estas crianças a serem admitidas nos cuidados intensivos. Embora esta condição pudesse atacar todos os órgãos principais, a maioria deles teve complicações no coração. No início pensava-se que se tratava da doença de Kawasaki, uma condição em crianças sem causa conhecida que inflama os vasos sanguíneos. Mais tarde foi entendido que era uma nova condição relacionada com o SARS-CoV-2, responsável pela infeção por covid-19. Era uma coleção de sinais e sintomas e não uma doença específica, aquilo a que os médicos chamam síndrome.

A Organização Mundial de Saúde deu um nome à nova doença em maio, tendo em conta a crescente lista de casos no Reino Unido, EUA, França e Itália: Síndrome Inflamatória Multissistémica em Crianças (MIS-C, na sigla inglesa). Desde então, muitos médicos lançaram investigações sobre a estranha síndrome, mas as suas causas e os fatores que determinam que uma criança passe uma infeção quase sem sintomas e possa ficar doente um mês mais tarde a ponto de pôr em perigo a sua vida ainda não estão claros.


Crianças com asma não estão em maior risco de contrair covid-19
Estudo português conclui que as crianças asmáticas e as que sofrem de atopia - mais predispostas a alergias - não são mais afetadas pela covid-19.

"Estamos perante uma condição muito, muito rara", advertiu ao El País Alfredo Tagarro, pediatra do Hospital Infanta Sofia em Madrid e coordenador do registo pediátrico nacional sobre esta nova síndrome em Espanha. Num estudo que acaba de apresentar no Congresso sobre Retrovírus e Infeções Oportunistas, a sua equipa analisou dados de 52 hospitais espanhóis. Desde o início da pandemia, apenas 90 casos de MIS-C foram detetados em Espanha, o que representa 0,02% de todas as infeções registadas em pessoas entre os zero e os 18 anos de idade, explicou Tagarro.

O MIS-C é a complicação pediátrica mais grave relacionada com o coronavírus que foi registada nesta pandemia e a principal causa de admissão de crianças nos cuidados intensivos. Entre os 90 casos, registaram-se duas mortes, ambas com doença anterior.

O período de latência entre a infeção e a chegada da síndrome é muito variável, podendo atingir até quatro meses mais tarde, descreveu Cinta Moraleda, pediatra do Hospital 12 de Octubre em Madrid e co-líder do estudo. "Estamos a tentar descobrir porque é que isto acontece, qual é o mecanismo imunológico. Neste momento, pensamos que a infeção por SARS-CoV-2 funciona como o gatilho de uma arma que desencadeia a resposta imunitária em doentes que têm uma predisposição", salientou.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Esta será uma das grandes dúvidas dos pais, sobretudo dos mais pequenos, nos próximos meses, por causa dos sintomas semelhantes. Duas pediatras especializadas, do Kannerklinik, Luxemburgo, e do Hospital de Santa Maria, Portugal, dão a resposta e os conselhos mais importantes.