Escolha as suas informações

1918: Portugueses da Batalha de La Lys homenageados hoje
Mundo 2 min. 30.04.2016 Do nosso arquivo online

1918: Portugueses da Batalha de La Lys homenageados hoje

1918: Portugueses da Batalha de La Lys homenageados hoje

Mundo 2 min. 30.04.2016 Do nosso arquivo online

1918: Portugueses da Batalha de La Lys homenageados hoje

Os soldados portugueses que combateram na Primeira Guerra Mundial e na Batalha de La Lys vão ser hoje homenageados no Cemitério Militar Português de Richebourg e no Monumento aos Mortos de La Couture, na região de Nord-Pas-de-Calais, no norte de França.

Os soldados portugueses que combateram na Primeira Guerra Mundial e na Batalha de La Lys vão ser hoje homenageados no Cemitério Militar Português de Richebourg e no Monumento aos Mortos de La Couture, na região de Nord-Pas-de-Calais, no norte de França.

A cerimónia de comemoração do 98º aniversário da Batalha de La Lys começa no cemitério militar português de Richebourg, palco da batalha ocorrida a 09 de abril de 1918, onde estão sepultados 1861 soldados portugueses.

De acordo com o comunicado da Embaixada de Portugal enviado à agência Lusa, houve uma intervenção religiosa, deposição de flores, hinos nacionais, alocuções e assinatura do livro de honra no cemitério militar neste sábado de manhã.

A intervenção religiosa ficou a cargo do Capelão das Comunidades Católicas Portuguesas em França, o padre Carlos Caetano, naquela que é "a quinta colaboração com a Embaixada de Portugal, nas comemorações da Batalha de La Lys".

"Homenagear e recordar estes soldados (para além do dever de memória) é uma verdadeira catequese. É um convite a não esquecer o sofrimento de guerra. É uma exortação a procurar incansavelmente alternativas não violentas para a resolução dos conflitos. Que não haja dúvidas: quem esquece o passado está condenado a repeti-lo", disse à Lusa o padre Carlos Caetano.

O capelão das Comunidades Portuguesas em França, "filho de um ex-combatente da guerra do Ultramar" considerou que a efeméride serve para recordar "não apenas os soldados da batalha de 1918, mas todos os soldados portugueses de ontem e de hoje", incluindo o próprio pai "e todos os companheiros que com ele viveram a experiência da guerra".

Depois, ao meio-dia, seguiu-se uma homenagem ao Corpo Expedicionário Português (CEP) no Monumento aos Mortos de La Couture, uma escultura do artista António Teixeira Lopes inaugurada em 1928.

As comemorações contam com a presença do secretário de Estado da Defesa Nacional, Marcos Perestrello, com o embaixador de Portugal em França, José Filipe Moraes Cabral, com o cônsul-geral de Portugal em Paris, António Albuquerque Moniz, com o Presidente da Liga dos Combatentes de Portugal, Tenente-General Chito Rodrigues, com uma delegação de militares das Forças Armadas Portuguesas proveniente da Bélgica e com representantes de várias associações portuguesas em França.

Portugal na Primeira Guerra Mundial, 1916-1918

Portugal entrou na Primeira Guerra Mundial em Março de 1916 e sofreu uma das maiores derrotas militares de sempre na Batalha de La Lys, considerada como "a Alcácer Quibir do século XX".

A 9 de Abril de 1918, enquanto faziam um render de tropas, os militares portugueses, comandados pelas forças britânicas, foram surpreendidos por um ataque alemão que acabaria por conquistar La Lys e depois as terras altas da Flandres, tomando Ypres e o monte Kemmel, já na Bélgica.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Os portugueses que lutaram para libertar o Luxemburgo dos nazis
Há 75 anos começava a escrever-se o derradeiro capítulo da II Guerra Mundial. Entre os soldados norte-americanos que enfrentaram a última investida do III Reich nas Ardenas havia milhares de soldados com nomes como Botelho, Encarnação, Gomes, Santos ou Silva. Rapazes de origem portuguesa, que deram o corpo e a vida pela libertação da região – e que a História foi votando ao esquecimento. Esta é a história deles.
Na Rua da Grande Cidade: 100 anos depois da vergonha
A 9 de abril, há um século, Portugal sofreu aqui bem perto uma das maiores humilhações da sua longa História. Algo para ser relembrado e compreendido – o que se torna difícil quando não é, sequer, muito conhecido.
Embarque do Corpo Expedicionário Português para a Flandres.