Escolha as suas informações

147 milhões de brasileiros votam hoje
Mundo 2 min. 07.10.2018 Do nosso arquivo online

147 milhões de brasileiros votam hoje

147 milhões de brasileiros votam hoje

Foto: AFP
Mundo 2 min. 07.10.2018 Do nosso arquivo online

147 milhões de brasileiros votam hoje

Sondagens continuam a dar vantagem a Bolsonaro na primeira volta das presidenciais, mas também há votação para Câmara dos Deputados, Senado e governos regionais.

Um total de 147,3 milhões de brasileiros são chamados este domingo a votar nas eleições em que estarão em disputa o cargo de Presidente mas também representantes no parlamento (Câmara dos Deputados e Senado) e nos governos regionais.

As urnas serão abertas pelas 08:00 (13:00 no Luxemburgo) e têm o seu encerramento previsto para as 17:00 de cada fuso horário. As últimas urnas eletrónicas a fechar serão no Estado do Acre, às 22:00 no Grão-Ducado.

Se houver uma falha na urna eletrónica e na impossibilidade de substituição por outra do mesmo tipo, será utilizado o sistema tradicional de voto de boletim em urna.

O candidato Jair Bolsonaro alcançou 41% das intenções de voto dos brasileiros, naquelas que são as últimas sondagens divulgadas antes do início das eleições presidenciais deste domingo, contra 25% de Fernando Haddad, em segundo lugar, segundo o Instituto Ibope.

Já de acordo com as sondagens divulgadas pelo instituto Datafolha, Bolsonaro alcança os 40% e Fernando Haddad mantém-se com 25% das preferências do eleitorado brasileiro.

O candidato da extrema-direita conseguiu manter a liderança da corrida presidencial até à véspera do dia da eleição, mas sem votos suficientes para acabar com a disputa numa primeira volta.

Bolsonaro mantém uma vantagem que oscila entre os 15 e 16 pontos sobre o candidato do Partido dos Trbalhadores (PT) Fernando Haddad. Caso estas posições se mantenham nas urnas no domingo, serão estes os dois candidatos a enfrentar-se na segunda volta marcada para dia 28 de outubro.

Quanto aos restantes candidatos, Ciro Gomes do Partido Democrático Trabalhista (PDT) encontra-se na terceira posição, tendo alcançado os 15% das intenções voto, distanciando-se do ex-governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), que obteve com 8%, posicionando-se em quarto lugar.

A ex-senadora Marina Silva (Rede) ficou empatada com o ex-banqueiro João Amoêdo (Novo), ambos com 3% das intenções de voto, segundo o jornal Folha de São Paulo.

Numa análise da taxa de rejeição, o candidato da extrema-direita oscilou dos 42% para 43%, e o afilhado de Lula da Silva no PT, Haddad, passou de 37% para 36%.

Atrás deles, a maior rejeição é a de Marina Silva, com 22%, seguindo-se Alckmin com 16% e Ciro com 15%.

Esta é já considerada uma das eleições mais atípicas das últimas décadas, com uma forte polarização política entre a extrema-direita e a esquerda.

Caso nenhum candidato atinja este domingo a marca de 50% dos votos válidos, haverá uma segunda volta com os dois primeiros colocados, que está marcada para o dia 28 deste mês.


Lusa

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Cerca de 147,3 milhões de eleitores são chamados este domingo às urnas para decidir quem será o próximo presidente da República brasileiro, numa disputa entre a extrema-direita com Jair Bolsonaro e a esquerda com Fernando Haddad.
Apesar de apoiado pelos grandes empresários e pelos grandes grupos de comunicação social o candidato apoiado pela maior parte do governo de Brasília não descola nas sondagens.
A última sondagem no Brasil revela que o candidato da extrema-direita perde com todos na segunda volta e que 33% dos apoiantes de Lula prontificam-se a seguir as indicações de voto deste, na semana em que o PT formaliza Haddad como candidato.