Escolha as suas informações

Visita do Presidente: Participação política dos portugueses é muito baixa
Coimbra de Matos, da CCPL, sublinha que "é muito mau" apenas 10% dos portugueses residentes serem recenseados

Visita do Presidente: Participação política dos portugueses é muito baixa

Foto: Lex Kleren
Coimbra de Matos, da CCPL, sublinha que "é muito mau" apenas 10% dos portugueses residentes serem recenseados
Luxemburgo 2 min. 21.05.2017

Visita do Presidente: Participação política dos portugueses é muito baixa

A participação política dos portugueses no Luxemburgo, é muito baixa, disseram à Lusa responsáveis da comunidade, uma situação que o Governo também quer reverter.

A participação política dos portugueses no Luxemburgo, é muito baixa, disseram à Lusa responsáveis da comunidade, uma situação que o Governo também quer reverter.

Em declarações à agência Lusa, o conselheiro das comunidades Rogério Dias Oliveira referiu que vem a alertar há 35 anos para a “muito baixa” participação política dos portugueses no Luxemburgo, acrescentando que chegou a fazer campanhas porta-a-porta para sensibilizar as pessoas sobre a importância de votarem nas eleições locais.

“As associações portuguesas no Luxemburgo, todas elas estão atentas e apelam a que os compatriotas se recenseiem o máximo porque é aqui que vivemos, é aqui que pagamos impostos, acho que é importante nós escolhermos os políticos locais”, disse.

Segundo o conselheiro, dos cerca de 60.000 portugueses que poderiam votar nas eleições locais luxemburguesas, apenas cerca de 12.000 estão inscritos, um número que subiu ligeiramente nos últimos anos, “mas não o que seria desejável”.

Também o Relações Públicas da Confederação da Comunidade Portuguesa do Luxemburgo (CCPL), José Coimbra de Matos, referiu que ter apenas 10 por cento dos potenciais eleitores portugueses registados “é muito mau”, mas ainda assim um “número aceitável” tendo em conta a dificuldade ao nível da sensibilização.

“É muito difícil porque a comunidade portuguesa é muito pouco politizada e por outro lado também há algumas fontes que tentam evitar que essas pessoas se recenseiem”, disse, referindo-se a funcionários das autarquias locais.

Segundo Coimbra de Matos, o aumento da participação eleitoral dos portugueses poderia ajudar a resolver alguns problemas que afetam a comunidade.

“Nós sabemos, temos consciência de que a partir do momento em que há uma participação cívica ativa e em massa, todos os problemas, questões relacionadas com educação, trabalho, alojamento, serão tidos em consideração de uma outra forma porque eram votos que eram expressos nas urnas”, disse.

Em declarações à agência Lusa, o secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Luís Carneiro, reconheceu o problema e lembrou o apelo que o primeiro-ministro, António Costa, fez, juntamente com o homólogo luxemburguês, Xavier Bettel, para o aumento da participação política dos portugueses, quando visitou o Luxemburgo no início de abril.

“Os portugueses nas diferentes comunidades de acolhimento têm uma força cívica, cultural e recreativa, desportiva, económica e empresarial muito significativa que não tem tido uma tradução imediata na participação política, quer nos atos eleitorais para os países onde se encontram a viver, a trabalhar, quer também nos atos eleitorais para as instituições políticas portuguesas”, disse.

O governante referiu que este é um dos assuntos a debater nos Diálogos com a Comunidade, uma iniciativa do Governo para se inteirar dos problemas das comunidades e que na próxima quinta-feira se realiza no Luxemburgo, com a participação do Presidente Marcelo Rebelo de Sousa.

José Luís Carneiro referiu ainda que “em breve” o Governo terá “um novo instrumento legislativo que define regras de apoio ao movimento associativo português no estrangeiro”, que terá entre as prioridades, “a sensibilização, formação e promoção de iniciativas destinadas a garantir uma maior mobilização dos portugueses para os atos eleitorais”.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.


Notícias relacionadas

Porta-voz da CCPL: Vitória esmagadora do “Não” revela “tensões latentes” entre luxemburgueses e estrangeiros
O “Não” ao direito de voto dos imigrantes nas eleições legislativas venceu de forma esmagadora o referendo no Luxemburgo, com 78% dos votos, frustrando as aspirações de muitos portugueses no país, que representam 16% da população. Para representantes da comunidade portuguesa no Luxemburgo, os resultados confirmam que há “tensões latentes” entre luxemburgueses e estrangeiros.
O lema do Luxemburgo é “Queremos continuar a ser aquilo que somos”. No 
domingo, a esmagadora maioria dos luxemburgueses votaram contra a mudança
Editorial: Que idade tem a comunidade portuguesa?
O CONTACTO festeja este ano o seu 45° aniversário. O jornal foi fundado em Janeiro de 1970, para informar a comunidade portuguesa no Luxemburgo. Ao comemorarmos esta data, surgiu-nos uma questão natural. Em que ano exacto situar o início da emigração portuguesa para o Luxemburgo?
Em Junho de 1965 uma missa na catedral do Luxemburgo juntou meio milhar de portugueses para celebrar pela primeira vez o Dia de Portugal no Grão-Ducado.
Depois disso houve um almoço eu ma festa. Foi o primeiro evento organizado pela comunidade portuguesa no Grão-Ducado de que há registo