Escolha as suas informações

Violência doméstica: Portugueses são 30% das vítimas no Luxemburgo
Luxemburgo 21.05.2016 Do nosso arquivo online

Violência doméstica: Portugueses são 30% das vítimas no Luxemburgo

Violência doméstica: Portugueses são 30% das vítimas no Luxemburgo

Luxemburgo 21.05.2016 Do nosso arquivo online

Violência doméstica: Portugueses são 30% das vítimas no Luxemburgo

Os imigrantes portugueses no Luxemburgo foram responsáveis por cerca de 30% dos casos de violência doméstica registados em 2015 no Luxemburgo.

Os imigrantes portugueses no Luxemburgo foram responsáveis por cerca de 30% dos casos de violência doméstica registados em 2015 no Luxemburgo. Os dados do Ministério da Igualdade de Oportunidades revelam que 30,58% das vítimas e 27% são agressores são de nacionalidade portuguesa.

Os mais recentes dados sobre a violência doméstica no Luxemburgo não deixam margem para dúvidas: A violência doméstica continua a ser um problema que afecta várias comunidades no Luxemburgo, incluindo a portuguesa.

Em 2015, a polícia foi chamada a intervir em 802 casos de violência doméstica no país, num total de 1.520 crimes desta natureza. As forças de segurança registam em média dois casos por dia.

De acordo com o Serviço de Assistência às Vítimas de Violência Doméstica (“Service d'assistance aux victimes de violence”), 30,58% das vítimas são de origem portuguesa, seguindo-se as vítimas de nacionalidade luxemburguesa (26,45%).

Quanto aos agressores, o mesmo documento revela que 33% são luxemburgueses, seguidos dos portugueses (27%), franceses (6%), cabo-verdianos (6%) e um total de 4,5% dos agressores são oriundos da Sérvia, Croácia, Bósnia e Montenegro.

A esmagadora maioria dos agressores continua a ser do sexo masculino. Em 2015 foram decretadas 242 expulsões do agressor do domicílio conjugal.

Estimam-se que 120 mil portugueses e luso-descendentes residam no Luxemburgo, segundo dados do Consulado Geral de Portugal no Grão-Ducado. 

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Daniel da Mota, candidato pelo ADR: "Se o meu partido fosse racista, eu não me candidatava"
O homem que marcou um golo do Luxemburgo contra a seleção de Cristiano Ronaldo, em 2012, é candidato às legislativas pelo ADR. O partido nacionalista é conhecido pelas posições contra os direitos dos estrangeiros, mas o jogador de futebol defende que "não é racista". Nesta grande entrevista ao Contacto, este filho de imigrantes portugueses explica as razões que o levaram a filiar-se no ADR.
Daniel Da Mota. Photo: Guy Wolff
Editorial: Que idade tem a comunidade portuguesa?
O CONTACTO festeja este ano o seu 45° aniversário. O jornal foi fundado em Janeiro de 1970, para informar a comunidade portuguesa no Luxemburgo. Ao comemorarmos esta data, surgiu-nos uma questão natural. Em que ano exacto situar o início da emigração portuguesa para o Luxemburgo?
Em Junho de 1965 uma missa na catedral do Luxemburgo juntou meio milhar de portugueses para celebrar pela primeira vez o Dia de Portugal no Grão-Ducado.
Depois disso houve um almoço eu ma festa. Foi o primeiro evento organizado pela comunidade portuguesa no Grão-Ducado de que há registo