Escolha as suas informações

Vacinas. Atenção aos prazos entre a primeira e segunda dose para quem vai de férias
Luxemburgo 09.07.2021
Covid-19

Vacinas. Atenção aos prazos entre a primeira e segunda dose para quem vai de férias

Covid-19

Vacinas. Atenção aos prazos entre a primeira e segunda dose para quem vai de férias

AFP
Luxemburgo 09.07.2021
Covid-19

Vacinas. Atenção aos prazos entre a primeira e segunda dose para quem vai de férias

Susy MARTINS
Susy MARTINS
Os convites para as vacinas contra a covid-19 continuam a ser enviados, por correio, sendo que atualmente são os adolescentes a receber a convocatória. No entanto, antes de fazer o autoagendamento é preciso ter atenção à segunda marcação para que não calhe numa altura de férias no estrangeiro.

A pedido da Radio Latina, o Ministério da Saúde esclarece que “convém fazer a primeira marcação tendo em conta a data da toma da segunda dose, de forma a não ultrapassar o período de tempo previsto entre cada dose. Uma forma de garantir a maior eficácia da vacina”.

Mas em caso de impedimento, como uma viagem no estrangeiro, o Ministério da Saúde recomenda o adiamento da marcação, recorrendo à Linha de Apoio à Saúde (+352) 247 655 33. Alerta, contudo, para o facto de o adiamento não poder ir “muito além da data inicialmente prevista”.


Mesmo com vacinação completa há risco de contaminação, diz Paulette Lenert
Luxemburgo vai aplicar o cruzamento de vacinas e administrar terceiras doses do fármaco contra a covid-19, anunciou esta quinta-feira o Executivo grão-ducal.

O período recomendado entre cada dose das vacinas das farmacêuticas BioNTech/Pfizer e da Moderna é de quatro semanas, podendo ser alargado até seis semanas, ou seja 42 dias, no máximo. Para a vacina da AstraZeneca, a duração aconselhada entre cada dose oscila entre 10 e 12 semanas. No caso da vacina Johnsson & Johnsson esta questão não se coloca, uma vez que o fármaco ‘anticovid’ é de dose única.

O Ministério da Saúde sublinha ainda à Rádio Latina que os prazos entre as duas doses variam consoante o país, mas que o Luxemburgo segue as recomendações do Conselho Superior das Doenças Infecciosas.  

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Sem "influência direta" no mercado e na chegada das vacinas ao Grão-Ducado, o Governo admite que "ainda não é possível apontar uma data" para a imunização de, pelo menos, 70% dos residentes. A Universidade do Luxemburgo diz que é possível fazê-lo em três meses. Basta que 2.700 pessoas sejam vacinadas por dia.
Lokales, Impfzentrum Esch Belval, maison des matériaux, Gebäude Nord Foto: Luxemburger Wort/Anouk Antony