Escolha as suas informações

"Uma nova vaga poderá ocorrer a partir de meados de setembro no Luxemburgo"
Luxemburgo 4 min. 04.09.2020 Do nosso arquivo online

"Uma nova vaga poderá ocorrer a partir de meados de setembro no Luxemburgo"

"Uma nova vaga poderá ocorrer a partir de meados de setembro no Luxemburgo"

Foto: AFP
Luxemburgo 4 min. 04.09.2020 Do nosso arquivo online

"Uma nova vaga poderá ocorrer a partir de meados de setembro no Luxemburgo"

Paula SANTOS FERREIRA
Paula SANTOS FERREIRA
“A situação atual tem um potencial inerente de reativação da epidemia. Uma nova vaga poderá ocorrer a partir de meados de setembro, quando se prevê que as interações sociais no Luxemburgo aumentem novamente após o período de férias”, afirma ao Contacto o investigador Paul Wilmes, porta-voz da task force Covid-19.

O Ministério da Saúde assume que o regresso das férias e o início do ano escolar, a 15 de setembro, são dois momentos críticos “ao nível do risco de aumento do número de casos de infeção” do novo coronavírus, definidos como “potencial vaga”. Isso mesmo está escrito no projeto de lei de financiamento da segunda fase dos testes em larga escala, que começam já a realizar-se no início deste mê

O risco da terceira vaga da epidemia assolar o país em meados de setembro, altura que coincide com o regresso às aulas dos 93.150 alunos dos ensinos fundamental e secundário, foi divulgado segunda-feira no relatório de agosto sobre a situação da epidemia no Luxemburgo, elaborado pela ‘task force’ covid-19.

“A situação atual tem um potencial inerente de reativação da epidemia. Uma nova vaga poderá ocorrer a partir de meados de setembro, quando se prevê que as interações sociais no Luxemburgo aumentem novamente após o período de férias”, afirma ao Contacto o investigador Paul Wilmes, porta-voz da task force Covid-19, o grupo de investigadores das mais diversas áreas que estuda a evolução da epidemia da covid-19.

A verificar-se o pior cenário, o pico da terceira vaga deverá acontecer por volta de 26 de outubro, segundo apontam as projeções da task force do Luxemburgo divulgadas no relatório mensal. A primeira vaga teve o seu pico no início de abril tendo desaparecido por volta de 9 de maio. A segunda começou a ganhar forma no final de junho, com o maior número de casos diários a ocorrerem durante dias seguidos em finais de julho. A curva baixou por volta de 17 de agosto, mas não totalmente, continuando as infeções em alta. Só nesta última semana, o número de casos estabilizou, como reconheceu a ministra da Saúde.

Mais contactos sociais, mais infeções

De acordo com o relatório de agosto, as projeções apontam para um crescimento dos contactos sociais no Grão-Ducado “a partir do início deste mês podendo atingir aumentos entre 30% a 70% em meados de setembro”. Mais contactos sociais significam um aumento de infeções diárias. Contudo, Paul Wilmes explica que a previsão do que irá acontecer nas próximas semanas é feita através de uma simulação matemática, pelo que não há certezas de quão pronunciado irá ser o aumento das infeções diárias e se “desencadearão uma terceira vaga, de facto”.

De momento, a situação é estável indica o relatório, depois das últimas três semanas a reprodução de casos ter aumentado. Contudo, os investigadores alertam para os perigos de uma subida das infeções.

Poderá ser esta terceira vaga tão grave como a primeira? Paul Wilmes não acredita dada a “realização de testes em larga escala” e a continuação do “rasteamento exaustivo de contactos”, dois métodos capazes de interromper as cadeias de transmissão do novo coronavírus.

A par com as importantes “medidas apropriadas para limitar a transmissão, o distanciamento físico, uso de máscaras, menos contactos sociais e medidas de higiene como a lavagem regular das mãos” que todas pessoas devem respeitar sempre.

“Transmissão limitada” nas escolas

Sobre os riscos de propagação do vírus no meio escolar com o regresso às aulas de todos os alunos, Paul Wilmes descansa os estudantes e os pais recordando: “A nossa análise detalhada do sector da educação publicada em meados de agosto indicava que globalmente ocorria apenas uma transmissão limitada ocorria nas escolas. Será de esperar que um cenário semelhante se desenrole no outono”.

No entanto, este investigador afirma que têm de ser” tomadas medidas apropriadas para limitar a transmissão nas escolas”, nomeadamente por todos quanto as frequentam como o uso da máscara, o distanciamento físico, a higiene regular das mãos e a redução dos contactos sociais.

Para evitar o crescimento exponencial de casos no país e contrariar o surgimento da terceira vaga, a task force covid-19 do Luxemburgo defende no relatório que é necessário continuar a cumprir sempre estas medidas de prevenção e os residentes participarem nos testes de despistagem e nos rastreios de contacto.

A ministra da Saúde, Paulette Lenert já reagiu à possibilidade da ocorrência de uma terceira vaga garantindo que o seu ministério está preparado e pronto a reagir caso a situação piore. Para já, a governante quer apostar nas campanhas de sensibilização à população que regressa de férias para realizar o teste diagnóstico à covid-19 mal chegue ao país. O mesmo alerta é deixado por Paul Wilmes acrescentando ainda que mesmo nas viagens ao estrangeiro, os residentes devem manter as medidas de prevenção. 

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas