Escolha as suas informações

Um terço dos residentes consulta ‘sites’ do Governo
Luxemburgo 11.03.2020 Do nosso arquivo online

Um terço dos residentes consulta ‘sites’ do Governo

Um terço dos residentes consulta ‘sites’ do Governo

Foto de arquivo: LW
Luxemburgo 11.03.2020 Do nosso arquivo online

Um terço dos residentes consulta ‘sites’ do Governo

Cerca de um terço dos residentes do Grão-Ducado consulta sites governamentais. Comparando com os outros Estados da União Europeia, o Luxemburgo é dos países onde a população menos consulta os sites do Governo.

(hdb/Lusa) - Os luxemburgueses são dos cidadãos da União Europeia (UE) que menos consultam o ‘site’ do Governo, de acordo com dados divulgados pelo Eurostat. Apenas 32% dos cidadãos luxemburgueses o fazem, abaixo da média de 44% registada entre os vários Estados-membros.

Em 2019, 44% dos cidadãos da UE disseram ter obtido informações nos ‘sites’ das autoridades públicas, nos últimos 12 meses. Um aumento de 11 pontos percentuais face a 2018, segundo o gabinete de estatísticas da UE.

No Luxemburgo a taxa é relativamente mais baixa, cerca de 32%, mas ainda assim à frente da Croácia (29%), Polónia (25%), Bulgária (20%), Itália (19%) e Roménia (9%), país que tem a percentagem mais baixa.

Do lado oposto, Dinamarca (89%), Finlândia (84%) e Suécia (79%) são os países onde a população mais consulta os sites do Governo.

Portugal está um lugar acima do Grão-Ducado, com 35%.


Notícias relacionadas

Carne no Luxemburgo é das mais caras da UE
Seja carne de vaca, de porco, frango ou cordeiro. Comprar carne no Luxemburgo implica gastar mais do que em praticamente todos os países da União Europeia (UE), revela um estudo do Eurostat.
Eurobarómetro: Luxemburgo sente-se mais europeu do que qualquer outro país do bloco
A Comissão Europeia divulgou hoje o seu relatório nacional sobre o Luxemburgo, com alguns resultados interessantes. O relatório que inquiriu 56% de luxemburgueses e 44% de cidadãos de outros Estados-membros da União Europeia (EU) residentes no Grão-Ducado, predominantemente portugueses e franceses, procurou reunir a opinião pública sobre a União Europeia.