Escolha as suas informações

Vantagens fiscais dadas à Fiat no Luxemburgo são ilegais
Luxemburgo 21.10.2015 Do nosso arquivo online
UE

Vantagens fiscais dadas à Fiat no Luxemburgo são ilegais

A sede fiscal da Fiat fica no boulevard Royal, onde estão sediadas dezenas de empresas estrangeiras
UE

Vantagens fiscais dadas à Fiat no Luxemburgo são ilegais

A sede fiscal da Fiat fica no boulevard Royal, onde estão sediadas dezenas de empresas estrangeiras
Foto: Guy Jallay
Luxemburgo 21.10.2015 Do nosso arquivo online
UE

Vantagens fiscais dadas à Fiat no Luxemburgo são ilegais

A Comissão Europeia considerou hoje ilegais as vantagens fiscais concedidas pelo Luxemburgo à Fiat e pela Holanda à Starbucks, exigindo aos dois países que recuperem junto de cada empresa valores entre 20 e 30 milhões de euros.

A Comissão Europeia considerou hoje ilegais as vantagens fiscais concedidas pelo Luxemburgo à Fiat e pela Holanda à Starbucks, exigindo aos dois países que recuperem junto de cada empresa valores entre 20 e 30 milhões de euros.

O executivo comunitário anunciou hoje que, no seguimento de investigações aprofundadas lançadas em Junho de 2014, a Comissão concluiu que o Luxemburgo concedeu vantagens fiscais selectivas à Fiat e a Holanda à Starbucks, apontando que, em cada caso, a decisão de regime fiscal definida pela respectiva autoridade nacional tributária baixou artificialmente os impostos pagos pelas empresas.

"Acordos fiscais que reduzam artificialmente a carga fiscal a pagar por uma empresa não estão em conformidade com as regras da União Europeia em matéria de ajudas estatais. São ilegais. Espero que, com a decisão de hoje, esta mensagem seja ouvida tanto pelos governos como pelas empresas dos Estados-membros”, declarou a comissária europeia responsável pela Concorrência, Margrethe Vestager, numa conferência de imprensa em Bruxelas.


Notícias relacionadas

A Comissão Europeia anunciou hoje que abriu uma investigação aprofundada à Nike. Em causa estão os acordos fiscais celebrados entre a Holanda e a conhecida marca de ténis, que poderão ter permitido à empresa pagar menos impostos do que o devido. Se os 'tax ruling' forem considerados ilegais, a Nike poderá ter de devolver aos cofres holandeses os montantes que não pagou.
Na rua da grande cidade, por Hugo Guedes - No ano passado, a Starbucks pagou 2,6 milhões em impostos, depois de ter obtido lucros de 407 milhões – uma taxa efectiva de imposto de 0,63% que faz rir (ou chorar).