Escolha as suas informações

Três mil novos casos por ano no Luxemburgo
Luxemburgo 2 min. 11.06.2016 Do nosso arquivo online
Cancro

Três mil novos casos por ano no Luxemburgo

Cancro

Três mil novos casos por ano no Luxemburgo

Photo: Shutterstock
Luxemburgo 2 min. 11.06.2016 Do nosso arquivo online
Cancro

Três mil novos casos por ano no Luxemburgo

Há três mil novos casos de cancro por ano no Luxemburgo. A revelação foi feita pela Ministra da Saúde, Lydia Mutsch, no âmbito na Semana Europeia Contra o Cancro.

Há três mil novos casos de cancro por ano no Luxemburgo. A revelação foi feita pela Ministra da Saúde, Lydia Mutsch, no âmbito na Semana Europeia Contra o Cancro.

A ministra luxemburguesa aproveitou a ocasião para revelar o que já foi feito a nível nacional para melhorar o tratamento e prevenir a doença no Luxemburgo.

De acordo com Lydia Mutsch, “mais de metade das medidas” que constam do plano nacional contra o cancro “estão concluídas ou em fase de conclusão”.

Entre as três principais medidas já lançadas está a criação de um “livro” radiológico electrónico, aprovado pelo Ministério da Saúde, que “guarda” o histórico de todos os exames de imagiologia médica realizados pelo utente.

“O livro visa evitar a duplicação de testes para proteger o paciente de exposição desnecessária à radiação ionizante”, disse a ministra da tutela.

Ainda de acordo com a governante, o programa de vacinação contra a HPV, na luta contra o cancro do colo do útero, foi adoptado e está agora operacional, proporcionando vacinação gratuita às adolescentes com idades entre 11 a 13 anos.

Finalmente, o serviço nacional de dor crónica vai ser uma realidade com o objectivo de fornecer serviços de ambulatório a pacientes com cancro, em todos os hospitais certificados para tratar de doentes com cancro.

As três medidas são bons exemplos do progresso que o Luxemburgo está fazer na luta contra a doença, que representa um dos maiores desafios aos países industrializados.

Três passos para a prevenção

Para Lydia Mutsch há três passos “essenciais” na prevenção da doença: "Não fumar, evitar o abuso de álcool e promover a detecção precoce (do cancro) através de vários programas de rastreio”.

“O respeito de todos esses pontos poderá evitar quase um terço das mortes relacionadas com o cancro", sublinhou Lydia Mutsch.

De acordo com dados divulgados no passado mês de Fevereiro, o cancro é a primeira causa de mortalidade nos homens e a segunda nas mulheres, com 33,9% e 27,1% de incidência, respectivamente.

Em 2014, o cancro foi responsável por 1.164 mortes no Luxemburgo, ou seja, 30% de todas as mortes registadas no país nesse ano.

O cancro mais frequente nos homens é o do pulmão e dos brônquios, seguido do cancro colo-rectal, da próstata e do pâncreas. Nas mulheres, os tipos de cancro mais usuais no Grão-Ducado são: o cancro da mama, do pulmão e dos brônquios, do pâncreas e o cancro colo-rectal. 

No Luxemburgo, e com um orçamento de mais de três milhões de euros, o plano nacional contra o cancro foi lançado em Setembro de 2014 e será executado até 2018.

O Contacto tem uma nova aplicação móvel de notícias. Descarregue aqui para Android e iOS. Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

O cancro nas mulheres está a aumentar, segundo dados divulgados pela Direção da Saúde. Já as doenças cardiovasculares, apesar da ligeira descida, continuam a ser a principal causa de morte no Grão-Ducado.
Breast cancer awareness. Woman in pink bra holding a pink ribbon, a reminder of the importance of breast examination in healthcare and medicine, to maintain and sustain a cancer-free, healthy lifestyle.
Na comparação europeia, o Luxemburgo é então o sétimo Estado-membro com mais mortes por cancro face ao total de óbitos, sendo que a taxa está 1,3% acima da média dos países da União Europeia.
Este sábado, 4 fevereiro, assinala-se o Dia Mundial contra o Cancro. A doença causou a morte de mais de mil pessoas no Luxemburgo em 2014 e assume-se atualmente como a primeira causa de morte no país.
Le cancer est la première cause de mortalité au Luxembourg et tue chaque année 8,2 millions de personnes.