Escolha as suas informações

Transportes gratuitos. Há um ano o Luxemburgo fazia história no mundo
Luxemburgo 2 min. 01.03.2021

Transportes gratuitos. Há um ano o Luxemburgo fazia história no mundo

Transportes gratuitos. Há um ano o Luxemburgo fazia história no mundo

Foto: Anouk Antony
Luxemburgo 2 min. 01.03.2021

Transportes gratuitos. Há um ano o Luxemburgo fazia história no mundo

Susy MARTINS
Susy MARTINS
A 1 de março de 2020, há exatamente um ano o Grão-Ducado tornou-se o primeiro país do mundo a oferecer transportes públicos gratuitos em todo o território. Mas a pandemia da covid-19 - que começou na mesma altura - não foi 'amiga' da mobilidade.

O dia 1 de março de 2020 marcou o começo da era da gratuitidade dos transportes públicos no Grão-Ducado. Um marco histórico que tornou o pequeno país, o primeiro no mundo a oferecer transportes públicos gratuitos em todo o território. Mas, a par com uma pandemia - que começou na mesma altura no país - num ano a mobilidade foi dos fatores que mais sofreu com o confinamento e o recurso ao teletrabalho. 

No dia anterior à entrada em vigor, a 29 de fevereiro de 2020, o primeiro caso de covid-19 foi detetado pelas autoridades luxemburgusesas. O início de uma escalada de casos e mortes que perdura até hoje. Neste contexto, os balanços da medida que abrange residentes, trabalhadores transfronteiriços e turistas tornam-se tarefa difícil de quantificar. 

Sabe-se que em fevereiro do ano passado, houve em média 31.000 pessoas a utilizar diariamente o tram. No entanto, com o início do confinamento umas semanas mais tarde, esse número baixou para 1.400 viajantes por dia, para depois voltar a aumentar gradualmente até 38.000 pessoas por dia. Para estes números terá contribuído a extensão da linha até à Place de l'Étoile e à Gare Central, em dezembro de 2020. Mais recentemente, na semana passada, o tram atingiu o pico de 42.000 viajantes.


No Luxemburgo, continua a ser mais eficiente utilizar carro do que transportes públicos
No país com o número mais elevado de carros per capita na Europa, o que podemos fazer para diminuir a nossa pegada de carbono? Usar os transportes públicos e reduzir o consumo de carne tem mais impacto do que reciclar, considera Thomas Gibon, investigador do Instituto de Ciência e Tecnologia do Luxemburgo (LIST).

Também os comboios sofreram o impacto da pandemia. Nas carruagens dos Caminhos de Ferro Luxemburgueses (CFL), houve uma quebra de 39% de utentes num ano. No total, a gratuitidade dos transportes públicos custou aos cofres do Estado 41 milhões de euros. Com a medida, o Governo pretende incentivar a mobilidade coletiva, aliviando o grande fluxo de tráfego na capital e diminuindo o recurso ao automóvel particular. Ao mesmo tempo, a ideia passa por encorajar soluções de mobilidade mais amigas do ambiente e menos dependentes dos combustíveis fósseis. 

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas