Escolha as suas informações

Transfronteiriços desempregados à procura de emprego no Grão-Ducado aumentaram mais de 100%
Luxemburgo 3 min. 14.05.2019

Transfronteiriços desempregados à procura de emprego no Grão-Ducado aumentaram mais de 100%

Transfronteiriços desempregados à procura de emprego no Grão-Ducado aumentaram mais de 100%

Foto: Pixabay
Luxemburgo 3 min. 14.05.2019

Transfronteiriços desempregados à procura de emprego no Grão-Ducado aumentaram mais de 100%

Marc AUXENFANTS
Marc AUXENFANTS
O número de desempregados não-residentes que procuraram emprego no Luxemburgo aumentou 109% entre março de 2018 e março de 2019, revelou a ADEM esta terça-feira.

Cada vez mais não-residentes usam os serviços da Agência para o Desenvolvimento do Emprego (ADEM), é uma das conclusões do relatório de atividades do organismo referentes ao ano passado. Os resultados foram divulgados esta terça-feira pela diretora da ADEM, Isabelle Schlesser, a subdiretora Gaby Wagner, juntamente com Dan Kersch (LSAP), o ministro do Trabalho. 

Em março de 2019, a agência abriu 614 novos casos de desempregados não-residentes, "o que corresponde a um aumento de 109% em relação a março de 2018", divulgou Isabelle Schlesser.

Um número descoberto nas discussões sobre a reforma do sistema europeu de compensação de trabalhadores transfronteiriços desempregados. Em apenas um ano, o número de requerentes franceses transfronteiriços aumentou 6%, em comparação com os  4,2% e 4%, respetivamente, dos homólogos belgas e alemães.  

Ainda segundo os dados divulgados em conferência de imprensa, em termos gerais o desemprego caiu em média 5,7% em 2018, continuando a tendência de queda iniciada em 2015. Além disso, 2o18 foi marcado por um crescimento do mercado de trabalho de 3,8% durante os doze meses", de acordo com o relatório de atividades.  

O que quer dizer que cerca de 17 mil pessoas registadas na agência encontraram um emprego assalariado ou independente no Luxemburgo, "um aumento de 2,2% em relação a 2017", revela o documento.  

Source: Statec

Mas os dados da agência revelam, ao mesmo tempo, números menos animadores. Mais de 30 mil dossiers de procura de emprego foram registados, um aumento de 3,7% em relação a 2017. Isabella Schlesser explicou que este aumento se deveu "às recentes inscrições dos beneficiários ao abrigo da nova lei do rendimento de inclusão social (Revis)".  

Durante a apresentação foi feito um balanço das medidas postas em prática durante o ano que passou, como o registo simplificado na ADEM. Em concreto, este serviço permite que as pessoas que desejam abrir um dossier de procura de trabalho e beneficiar dos serviços da ADEM podem realizá-lo por telefone ou através do preenchimento de um formulário on-line. Após este primeiro passo, é marcada uma reunião com um conselheiro para dar início ao processo.

Maior oferta de formação

Ao longo de 2018, a agência reintegrou com sucesso mais de 170 desempregados de longa duração (12 meses ou mais). Estes "foram contratados por uma instituição pública, um município, uma união de municípios, uma associação sem fins lucrativos, uma fundação ou uma sociedade de impacto social", detalha o documento. 

Do lados dos empregados, a ADEM continuou a desenvolver trabalho junto das empresas do Grão-Ducado, com incidência nas profissões em que há mais oportunidades de emprego, como se pode ler no relatório.

Ao mesmo tempo, alargou as ofertas de formação profissional: mais de 4.300 candidatos a um emprego participaram num programa de formação nos setores da construção, serviços administrativos ou tecnologias de informação. Para tal, foram realizadas parcerias com centros de formação  da Câmara dos Assalariados/Luxembourg Lifelong Learning Center, a Câmara dos Ofícios e Câmara de Comércio/House of Training, que oferecem cursos de formação gratuitos para candidatos registados na ADEM. 

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.