Escolha as suas informações

Testes em larga escala reduziram número de casos em 40%
Luxemburgo 11.01.2021

Testes em larga escala reduziram número de casos em 40%

Testes em larga escala reduziram número de casos em 40%

AFP
Luxemburgo 11.01.2021

Testes em larga escala reduziram número de casos em 40%

Ana Patrícia CARDOSO
Ana Patrícia CARDOSO
Um estudo do Instituto de Saúde de Luxemburgo chegou à conclusão que os testes em larga escala reduziram significativamente o número de casos de covid-19 no Luxemburgo.

Segundo os autores de um estudo do Instituto de Saúde de Luxemburgo e da Universidade do Luxemburgo, a testagem em massa no rastreio à covid-19 permitiu reduzir os casos positivos em 39,1%, detetando também casos assintomáticos, quase tão responsáveis por infeções como os sintomáticos. 

A testagem massiva também evitou um caos incontrolável, uma vez que a taxa de ocupação de camas nos hospitais do Luxemburgo teria sido 46% maior sem esta aposta. 

Os pesquisadores analisaram 850 pessoas com teste positivo, entre 27 de maio e 15 de setembro. Apenas 567 pessoas indicaram que sentiram sintomas, sendo o restante assintomáticos. Os dados revelaram que uma pessoa sintomática infeta em média 0,7 pessoas, enquanto que um assintomático infeta 0,6, praticamente o mesmo. Os autores concluíram, portanto, que os casos assintomáticos representavam um "risco significativo de transmissão" e que o programa de testes ajudou a identificá-los e reduzir o risco. 

O diretor do Instituto de Saúde do Luxemburgo (Luxembourg Institut of Health - LIH), Ulf Nehrbass, em entrevista à Rádio Latina, já tinha referido as vantagens dos testes em larga escala no Grão-Ducado. 


Governo antecipou o regresso das férias com aumento de testes de despistagem
O Luxemburgo não vai obrigar os passageiros que chegam ao aeroporto do Findel a fazer um teste de despistagem PCR à covid-19. Os viajantes também não terão de respeitar um período de quarentena.

Nehrbass disse que "a situação, em geral, é muito diferente da Alemanha ou da França", porque o Luxemburgo controla muito melhor a situação, através dos dados em tempo real provenientes dos testes em larga escala (que incluem as infeções provocadas pelos portadores assintomáticos).  

 "Devido aos testes em larga escala, o Luxemburgo é muito mais reativo e ágil, podendo reagir mais rápido e enfrentar as ondas de infeção com muito mais eficácia", explicou à Rádio Latina. Nesse sentido, o responsável defende que "não há necessidade de o Luxemburgo seguir o padrão muito mais rígido da Alemanha ou da França".




Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas