Escolha as suas informações

Super herói luxemburguês no top dos filmes mais vistos de sempre
Luxemburgo 1 07.11.2018

Super herói luxemburguês no top dos filmes mais vistos de sempre

Super herói luxemburguês no top dos filmes mais vistos de sempre

Foto: Gerry Huberty
Luxemburgo 1 07.11.2018

Super herói luxemburguês no top dos filmes mais vistos de sempre

O filme “Superjhemp Retörns” ultrapassou no fim-de-semana as 25.000 entradas nos cinemas nacionais, atingindo o top 5 dos filmes luxemburgueses mais vistos de sempre.

Chegou às salas de cinema no dia 24 de outubro e já é um sucesso de bilheteira. O filme luxemburguês “Superjhemp Retörns” ultrapassou no fim-de-semana as 25.000 entradas nos cinemas nacionais, segundo  a produtora Samsa Film.


Superjhemp Retörns: É um pássaro ou é um avião? É o Superjhemp!
Adaptar banda desenhada, ou mesmo séries de animação ao cinema, é um desafio considerável que muitos e bons falharam. Adaptar uma série de “comics” luxemburguesa enorme de quase 30 volumes e todo o seu imaginário é uma missão hercúlea. Sobretudo porque um dos homens que deram origem à personagem, Roger Leiner, o desenhador, já não está entre nós há dois anos.

A longa-metragem baseada na banda desenhada de Roger Leiner e Lucien Czugaatinge assim o top 5 dos filmes luxemburgueses mais vistos de sempre, em apenas uma dezena de dias. Em primeiro lugar continua a estar "Conge Fir e Mord", com 42.600 espetadores, em 1983.

“Superjhemp Retörns”, do realizador Félix Koch, conta o regresso do super-herói luxemburguês, que, depois de anos fora de cena, se vê forçado a recuperar os seus poderes para salvar o Luxemburgo – ou 'Luxusbuerg', como é chamado no filme – de uma catástrofe cósmica.

A película tem os atores André Jung e Désirée Nosbuch nos papéis principais. Do elenco, destaque ainda para Étienne Halsdorf, Jules Werner e Luc Feit.

Os vídeos 360 não têm suporte aqui. Ver o vídeo na aplicação Youtube.



Notícias relacionadas

Superjhemp Retörns: É um pássaro ou é um avião? É o Superjhemp!
Adaptar banda desenhada, ou mesmo séries de animação ao cinema, é um desafio considerável que muitos e bons falharam. Adaptar uma série de “comics” luxemburguesa enorme de quase 30 volumes e todo o seu imaginário é uma missão hercúlea. Sobretudo porque um dos homens que deram origem à personagem, Roger Leiner, o desenhador, já não está entre nós há dois anos.