Escolha as suas informações

Statec volta a alertar para a escassez de habitação
Luxemburgo 13.05.2019 Do nosso arquivo online

Statec volta a alertar para a escassez de habitação

Statec volta a alertar para a escassez de habitação

Foto: Chris Karaba
Luxemburgo 13.05.2019 Do nosso arquivo online

Statec volta a alertar para a escassez de habitação

Henrique DE BURGO
Henrique DE BURGO
"Se o número de construção de novas casas não aumentar no futuro, as novas famílias vão ter dificuldades em encontrar uma habitação".

O alerta é do Instituto Nacional de Estatística (Statec), publicado hoje num relatório sobre a habitação, isto depois de outro estudo divulgado em abril ter apontado para a escassez da habitação.

"Se o número de construção de novas casas não aumentar no futuro, as novas famílias vão ter dificuldades em encontrar uma habitação".

Segundo o Statec, em 2016 foram construídas 3.856 novas casas, ou seja, mais 25% em relação a 2015, sobretudo graças à construção de apartamentos.

Mas este aumento não será suficiente para contrabalançar o também aumento da procura, uma tendência que se tem verificado desde 2010, alerta o Statec.

No estudo anterior, de abril, o Statec apontava que o Luxemburgo vai precisar de mais 5.600 a 7.500 casas por ano, até 2060, para satisfazer a procura.


Luxemburgo vai precisar de mais 5.600 a 7.500 casas por ano até 2060 para satisfazer a procura
Os valores variam em função do crescimento da economia luxemburguesa: quanto mais forte e atrativa for, mais aumenta o número de trabalhadores e maior a necessidade de habitações.

De 2007 e 2016 a maior taxa de construção verificou-se no cantão de Esch-sur-Alzette (comunas do Sul), com 24.8% do total, enquanto o cantão do Luxemburgo (capital e as comunas limítrofes) segue na lista com uma taxa de 15%.


Notícias relacionadas

Muito acima da média europeia, o Grão-Ducado está do pódio dos países que observaram o maior aumento do preço das casas entre 2010 e 2020 com uma taxa de 99,8%. Nem a pandemia impediu um novo recorde. Em relação ao quarto trimestre de 2019, o valor dos imóveis registou uma subida de 16,7%. Na capital, o metro quadrado ultrapassou pela primeira vez os 10 mil euros.
A construção de alojamentos cresceu entre 2006 e 2008, e recuou nos dois anos seguintes. Em 2012, o número voltou a aumentar ligeiramente, com 2.304 alojoamentos construídos nesse ano. É o que indica um estudo do Statec publicado na quinta-feira.
Em 2012, o número de apartamentos representou 56% do total de alojamentos construídos nesse ano, ou seja, 1.291 em 2.304.