Escolha as suas informações

Sondagem/ TNS Ilres: Um em cada quatro residentes no Luxemburgo tem pelo menos uma tatuagem
A paixão pelas tatuagens quebrou o preconceito e o estigma social, sendo hoje uma mera questão estética.

Sondagem/ TNS Ilres: Um em cada quatro residentes no Luxemburgo tem pelo menos uma tatuagem

Foto: Paulo Dâmaso
A paixão pelas tatuagens quebrou o preconceito e o estigma social, sendo hoje uma mera questão estética.
Luxemburgo 22.10.2016

Sondagem/ TNS Ilres: Um em cada quatro residentes no Luxemburgo tem pelo menos uma tatuagem

O amor pelas tatuagens não se explica e quem gosta nunca tem uma só. Outrora tidas como marginais, as tatuagens são cada vez mais um mercado emergente a nível global e o Luxemburgo não é exceção.

O amor pelas tatuagens não se explica e quem gosta nunca tem uma só. Outrora tidas como marginais, as tatuagens são cada vez mais um mercado emergente a nível global e o Luxemburgo não é exceção.

Usadas para declarar amor eterno, devoção ou simplesmente por ser moda, as tatuagens têm ganho terreno junto da população, derrubando o preconceito do passado. De acordo com uma sondagem do instituto TNS Ilres, cerca de 23% da população do Luxemburgo tem pelo menos uma tatuagem.

Segundo a sondagem realizada durante o festival “Rock’n Ink”, que decorreu na semana passada em Oberkorn (Differdange), essa percentagem dispara para os 48% junto dos jovens com menos de 25 anos.

Por sexos, as mulheres no Luxemburgo são quem mais tem aderido ao “vício” de desenhar em corpos: a sondagem demonstra que 28% das mulheres tem uma tatuagem contra 18% dos homens.

“Confirmo essa tendência. As mulheres são mais rápidas a decidirem o que querem tatuar enquanto os homens estão sempre a trocar e a mudar intenções. Alguns chegam mesmo a levantar-se da cadeira para alterar um detalhe ou pormenor no desenho a tatuar”, brincou, ao CONTACTO, Alain Junckel, da organização do “Rock’n Ink”, evento que reuniu mais de 50 tatuadores de todo mundo.

O luxemburguês Alain Junckel, fundador e organizador da convenção de tatuagens do Luxemburgo, “The Storm”, com o actor Robert LaSardo.
O luxemburguês Alain Junckel, fundador e organizador da convenção de tatuagens do Luxemburgo, “The Storm”, com o actor Robert LaSardo.
Foto: Paulo Dâmaso

Próximos eventos

Para os amantes das tatuagens no Luxemburgo há, entretanto, duas datas a anotar na agenda: nos próximos dias 26 e 27 de novembro realiza-se o evento “Flash Days”, da Skull’n Bones Tattoo, em Differdange, com a presença de 15 tatuadores.

E já no próximo ano acontece a sexta edição da ‘Internationl Tattoo Convention - The Storm’ vai ter lugar na Luxexpo, entre 19 e 21 de maio de 2017.

O evento que é considerado um dos melhores do género na Europa já confirmou as presenças do actor norte-americano Robert Lasardo (que repete a presença de 2016) e a de Zombie Boy, modelo do Canadá, conhecido por ter tatuagens por todo o corpo imitando um esqueleto.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.


Notícias relacionadas

The Storm junta 250 tatuadores no Luxemburgo
A 7ª edição da convenção internacional de tatuagem, "The Storm", realiza-se ao longo deste fim de semana, de 18 a 20 de maio, na Luxexpo, em Kirchberg, na cidade do Luxemburgo, juntando 25 tatuadores de todo o mundo.
A paixão pelas tatuagens quebrou o preconceito e o estigma social, sendo hoje uma mera questão estética.
"The Storm": Convenção de Tatuagens levou 20 mil pessoas à Luxexpo
Cerca de 20 mil pessoas passaram este fim-de-semana pela 5ª edição da convenção internacional de tatuagens “The Storm”, na Luxexpo, em Kirchberg. O encontro, já considerado o maior do género de toda a Europa, contou com a presença de 417 tatuadores de todo mundo, incluindo Portugal.
Tatuagens derrubam preconceitos e são mercado emergente no Luxemburgo
Muitas pessoas ainda vêem a tatuagem com preconceito mas ter “desenhos na pele” deixou de ser algo marginal e clandestino. No Luxemburgo, esse preconceito é “coisa do passado” e o negócio em torno da tatuagem é cada vez mais emergente, significando muitos postos de trabalho no Grão-Ducado.
DJ Luss, um dos "modelos" da exposição