Escolha as suas informações

Sondagem Politmonitor: 85 por cento dos portugueses querem votar nas legislativas no Luxemburgo
Luxemburgo 3 min. 07.02.2015 Do nosso arquivo online

Sondagem Politmonitor: 85 por cento dos portugueses querem votar nas legislativas no Luxemburgo

Sondagem Politmonitor: 85 por cento dos portugueses querem votar nas legislativas no Luxemburgo

Foto: Shutterstock
Luxemburgo 3 min. 07.02.2015 Do nosso arquivo online

Sondagem Politmonitor: 85 por cento dos portugueses querem votar nas legislativas no Luxemburgo

Oitenta e cinco por cento dos portugueses no Luxemburgo querem poder votar nas legislativas, uma questão que vai ser referendada a 7 de Junho. Para Sérgio Ferreira, porta-voz da ASTI, os resultados da sondagem divulgada na sexta-feira demonstram que os estrangeiros "se interessam pela política do país", contrariando um dos argumentos do lado do "não".

A questão, que vai ser colocada aos luxemburgueses numa consulta pública agendada para 7 de Junho, recolhe o apoio de 78 por cento dos estrangeiros, que representam cerca de 44% da população no país.

A percentagem de apoiantes do "sim" é ainda superior entre os portugueses, representando 85 por cento, de acordo com a sondagem Politmonitor, realizada para o jornal Luxemburger Wort e a televisão luxemburguesa RTL pelo instituto TNS Ilres.

Para Sérgio Ferreira, porta-voz da Associação de Apoio aos Trabalhadores Imigrantes (ASTI), uma das associações que integram a plataforma a favor do direito de voto Migrações e Integração, os resultados da sondagem "vêm demonstrar que os estrangeiros em geral e os portugueses em particular se interessam pela política do país", contrariando um dos argumentos do lado do "não".

"Enquanto português, congratulo-me, e é recompensador perceber que, apesar de todas as reticências que há de uma forma geral em relação à política, os portugueses se interessam por aquilo que se passa neste país, onde vivem e onde trabalham, e onde provavelmente vão passar a maioria da sua vida", disse ao CONTACTO o porta-voz da ASTI.

Para Sérgio Ferreira, "o paradigma da emigração dos anos 1970, em que se vinha para o Luxemburgo para construir uma casa em Portugal e depois regressar na reforma, já não corresponde à realidade", defendendo que o Luxemburgo deve adoptar "uma cidadania de residência".

"As pessoas vão ficando no Luxemburgo, é aqui que têm a sua vida, é aqui que têm os filhos na escola, e é aqui que vivem todos os dias, e é um motivo de regozijo saber que querem participar e ter uma voz activa", defendeu o porta-voz da ASTI.

A quatro meses do referendo, a questão divide a sociedade luxemburguesa, com 48 por cento dos luxemburgueses a favor da participação dos estrangeiros nas eleições legislativas do país e 44 por cento contra, havendo oito por cento de indecisos, segundo a sondagem Politmonitor.

"Os resultados não são exactamente aquilo que esperávamos, mas são encorajadores, e há margem para o 'sim' poder vencer", disse Sérgio Ferreira, sublinhando que a plataforma de defesa do direito de voto dos estrangeiros, que integra várias associações e sindicatos, vai participar na campanha no terreno.

Para a plataforma, "a participação política não é um prémio para os estrangeiros", representando "um desafio político e democrático, porque o país não pode permitir-se que uma minoria eleja os seus representantes", defendeu Sérgio Ferreira, sublinhando que o parlamento nacional é eleito por apenas "cerca de 42 por cento da população".

A participação dos estrangeiros nas eleições legislativas do Luxemburgo é uma das três questões previstas no referendo, além da atribuição do direito de voto a maiores de 16 anos e da limitação de mandatos governamentais.

O texto da pergunta, que vai ser submetido à aprovação da Câmara dos Deputados no final de Fevereiro, estabelece como condições para votar nas legislativas a residência no país há mais de dez anos e a participação prévia em eleições comunais ou europeias, as únicas abertas aos estrangeiros.

A sondagem Politmonitor foi realizada para o jornal Luxemburger Wort e a televisão luxemburguesa RTL pelo instituto TNS Ilres, entre 28 de Janeiro e 4 de Fevereiro, com uma amostra de 1.025 pessoas com mais de 18 anos.

P.T.A.

 

 


Notícias relacionadas

Elisabete Soares: “Nós fazemos parte desta sociedade: aceitem-nos”
A nova presidente da Confederação da Comunidade Portuguesa no Luxemburgo (CCPL) chama-se Elisabete Soares e chegou ao Luxemburgo há 24 anos. Foi candidata pelos socialistas nas últimas autárquicas, mas os votos não chegaram para ser eleita. Em 2015, zangou-se com o Luxemburgo por causa do referendo sobre o voto dos estrangeiros, mas já fez as pazes. E quer que os portugueses aumentem o seu peso político para mudar o que está mal nas políticas que os afetam.
Elisabete Soares é a nova presidente da Confederação da Comunidade Portuguesa no Luxemburgo.
Porta-voz da CCPL: Vitória esmagadora do “Não” revela “tensões latentes” entre luxemburgueses e estrangeiros
O “Não” ao direito de voto dos imigrantes nas eleições legislativas venceu de forma esmagadora o referendo no Luxemburgo, com 78% dos votos, frustrando as aspirações de muitos portugueses no país, que representam 16% da população. Para representantes da comunidade portuguesa no Luxemburgo, os resultados confirmam que há “tensões latentes” entre luxemburgueses e estrangeiros.
O lema do Luxemburgo é “Queremos continuar a ser aquilo que somos”. No 
domingo, a esmagadora maioria dos luxemburgueses votaram contra a mudança