Escolha as suas informações

"Somos humanos e precisamos de nos abraçar", diz Juncker
Luxemburgo 3 2 min. 10.04.2020

"Somos humanos e precisamos de nos abraçar", diz Juncker

"Somos humanos e precisamos de nos abraçar", diz Juncker

Foto: Guy Wolff
Luxemburgo 3 2 min. 10.04.2020

"Somos humanos e precisamos de nos abraçar", diz Juncker

Paula SANTOS FERREIRA
Paula SANTOS FERREIRA
A pandemia do coronavírus vai conduzir a uma crise generalizada na Europa, afirma o político luxemburguês que critica a Alemanha pelo fecho das fronteiras com o Luxemburgo.

“Somos humanos e precisamos de nos encontrar, de nos tocar, de abraçarmos uns aos outros. Após a crise, espero que sejamos melhores”. Esta é a esperança do luxemburguês Jean-Claude Junker, antigo presidente da Comissão Europeia que em duas entrevistas, uma ao francês Liberation e ao luxemburguês Le Quotidien, critica a Alemanha e Holanda e aponta para a crise de solidariedade que atravessa a União Europeia.

Uma das provas da crise na união europeia é a decisão da vizinha Alemanha ter fechado as fronteiras à revelia do Luxemburgo, que é contra esta atitude como já declarou o ministro dos Negócios Estrangeiros,Jean Asselborn.

“A decisão irrefletida da Alemanha de encerrar a sua fronteira é uma decisão que não tem em conta a convivência na região fronteiriça Sarre-Lorena-Luxemburgo. Temos de redescobrir a virtude de vivermos juntos. Sozinhos, nós não somos muito”, critica Jean-Claude Juncker.

Outro dos exemplos é a recusa da Holanda em apoiar a dinamização da economia dos países do sul da Europa, mais afetados pela crise sanitária, como a Itália através dos ‘coronabonds’, ou seja, de euro-obrigações.

"Bloquear a sua utilização porque teimosamente, ideologicamente, religiosamente, insistimos na aplicação de uma condicionante rigorosa é irresponsável", advertiu Jean-Claude Juncker ao Liberation. "Devemos utilizar o orçamento europeu como um instrumento de solidariedade reativo", acrescentou o luxemburguês.

 Crise generalizada

A pandemia do novo coronavírus veio também pôr a descoberto uma das grandes lacunas na construção da união entre os estados-membros é a falta de poder da comissão ao nível da saúde pública europeia.


Eurogrupo bate palmas a plano financeiro para a crise
O acordo foi feito esta quinta-feira à noite, com a aprovação de três redes de segurança que valem meio bilião de euros.

“Existe um defeito de construção na Europa. A Comissão Europeia não tem competência no domínio da saúde pública”, lembra o político em ambas as entrevistas. “As propostas nesse sentido foram rejeitadas em bloco pela maioria dos Estados-Membros aquando da adoção do Tratado de Lisboa em 2007. Assim, a ação da Comissão Europeia é atualmente extremamente limitada. A Comissão Europeia encontra-se numa situação em que só pode coordenar, o que é insuficiente no contexto da atual crise. Deve poder liderar, deve ter o direito de iniciativa, nomeadamente no domínio da saúde pública, que é, repito, a grande ausência do Tratado de Lisboa”, vinca Juncker na entrevista.

Na sua perspetiva, a Europa vai atravessar uma crise económica generalizada, em que “todos os países vão atingidos”. Uma crise diferente da de 2008, que afetou “de forma assimétrica” a Europa, como a Grécia com “dificuldades com a sua dívida pública”. Desta vez, nenhum país escapará a dificuldades porque este pandemia “é um caso de força maior”.

A favor dos 'coronabonds'

Por isso, o antigo presidente da comissão europeia defende a utilização dos coronabonds. “Os coronabonds permitiriam mutualizar a dívida que será causada pelos futuros investimentos que terão de ser maciços e que serão necessários para relançar a economia europeia. Não se trata de eliminar as dívidas públicas do passado, mas de permitir que os países afetados pela crise sanitária e os confinamentos invistam para sair da crise económica”, explicou Juncker ao Le Quotidien.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Comissão Europeia não quer "coronabonds"
Comissão Europeia quer resposta à crise provocada pela covid-19 dentro do orçamento plurianual. Coronabonds são apenas um "slogan", disse von der Leyen no sábado passado. Um orçamento maior poderão ser boas notícias para Portugal e Amigos da Coesão.
O dia para salvar a Europa ainda não foi ontem
Quatro países bloquearam as chamadas coronabonds no Conselho Europeu. E a criação de um Plano Marshall para evitar a depressão económica foi adiada. António Costa, chamou de “repugnante” as declarações do ministro das Finanças holandês pedindo que Espanha seja investigada por não ser capaz de fazer face ao desafio económico provocado pela pandemia.