Escolha as suas informações

Situação “muito preocupante” no Luxemburgo
Luxemburgo 3 min. 20.11.2021
Covid-19

Situação “muito preocupante” no Luxemburgo

Covid-19

Situação “muito preocupante” no Luxemburgo

Foto: Anouk Antony
Luxemburgo 3 min. 20.11.2021
Covid-19

Situação “muito preocupante” no Luxemburgo

Redação
Redação
A classificação é feita pelo Centro Europeu de Prevenção e Controlo das Doenças (ECDC) que considera que a situação em Portugal é "moderadamente preocupante".

 A situação epidemiológica da covid-19 é agora “muito  preocupante” no Luxemburgo, segundo o ECDC, que fala numa preocupação “muito elevada” no resto da Europa e prevê aumento das infeções, internamentos e mortes nas duas próximas semanas. Portugal está na lista dos países "moderadamente preocupantes".

“Na semana 44 [entre 01 a 07 de novembro], 10 países da União Europeia e Espaço Económico Europeu - Bélgica, Bulgária, Croácia, República Checa, Estónia, Grécia, Hungria, Países Baixos, Polónia e Eslovénia - foram classificados como altamente preocupantes, 13 países - Áustria, Dinamarca, Finlândia, Alemanha, Islândia, Irlanda, Letónia, Liechtenstein, Lituânia, Luxemburgo, Noruega, Roménia e Eslováquia - como muito preocupantes e três países - Chipre, França e Portugal - como moderadamente preocupantes”, diz em entrevista por escrito à agência Lusa, em Bruxelas, Ole Heuer, do Centro Europeu de Prevenção e Controlo das Doenças (ECDC).

A estes acrescem “quatro países - Itália, Malta, Espanha e Suécia - como pouco preocupantes”, acrescenta o responsável pelo departamento de doenças contagiosas e epidemias do ECDC.

Segundo Ole Heuer, nesta primeira semana do mês (sobre a qual o centro europeu tem os dados mais recentes), o “nível de preocupação para a UE/EEE em geral é muito elevado, de 8,3 em 10”, numa avaliação que tem em conta as taxas de positividade dos testes realizados e de notificação de casos, bem como indicadores de gravidade (casos entre pessoas com 65 anos de idade ou mais e admissões ou taxas de ocupação ou de morte em hospitais ou unidades de cuidados intensivos).

“No final da semana 44, a situação epidemiológica global na UE/EEE caracterizou-se por uma elevada taxa global de notificação de casos e em rápido aumento e uma taxa de mortalidade baixa, mas em lenta subida”, assinala o especialista do ECDC à Lusa.

“Prevê-se que as taxas de notificação de casos, as taxas de mortalidade e de internamento em hospitais e unidades de cuidados intensivos aumentem durante as próximas duas semanas”, antecipa.

Ole Heuer precisa que “as taxas de notificação de casos são atualmente mais elevadas entre os grupos etários com menos de 50 anos, mas as taxas de notificação entre os grupos etários mais velhos também estão a aumentar rapidamente”.

E apesar de ressalvar que “o quadro varia consideravelmente de país para país”, o responsável adianta que “o aumento das taxas de notificação de casos e uma situação epidemiológica global de grande ou muito preocupante são agora observados na maioria dos Estados-membros da UE/EEE”.

Em média, na primeira semana deste mês, a taxa global de notificação de casos de covid-19 para a UE/EEE foi de 383,9 por 100 mil habitantes (o que compara com 316,4 na semana anterior), sendo que estes números têm vindo a aumentar há cinco semanas.

Por seu lado, a taxa de mortalidade a 14 dias por infeção SARS-CoV-2, que provoca a covid-19, estava nesta semana em 35,5 mortes por milhão de habitantes, em comparação com 32,3 mortes na semana anterior, também a aumentar há cinco semanas.

Numa altura em que 76,5% dos adultos na UE estão totalmente vacinados, Ole Heuer explica à Lusa que este ressurgimento se deve ao “relaxamento de intervenções não-farmacêuticas”, isto é, ao levantamento de medidas restritivas como distanciamento físico, uso de máscaras, redução da lotação em eventos/encontros de interior e de aposta no teletrabalho.

“Embora as vacinas sejam muito eficazes na prevenção de doenças e mortes graves, as pessoas vacinadas podem ser infetadas e transmitir a covid-19, embora em menor grau do que os indivíduos não vacinados”, lembra o especialista.

Ole Heuer salvaguarda que as vacinas têm sim “desempenhado um papel importante” ao “protegerem as pessoas de ficarem gravemente doentes e de morrerem de covid-19”, dada a eficácia superior a 80% contra doença grave.

Criado em 2005, o ECDC é uma agência europeia de aconselhamento aos países para reforço da capacidade de defesa da Europa contra as doenças infecciosas.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Portugal registou, no segundo trimestre do ano, a segunda maior subida da taxa de emprego entre os Estados-membros da União Europeia, com um crescimento de 0,9% face ao trimestre anterior, revelam dados hoje divulgados em Bruxelas pelo Eurostat.
A subida do emprego é um bom sinal para Portugal