Escolha as suas informações

Serge Wilmes e Frank Engel na corrida à presidência do CSV

Serge Wilmes e Frank Engel na corrida à presidência do CSV

Foto: Chris Karaba
Luxemburgo 10.01.2019

Serge Wilmes e Frank Engel na corrida à presidência do CSV

Diana ALVES
O deputado Serge Wilmes e o eurodeputado Frank Engel deverão mesmo ser candidatos à presidência do Partido Cristão Social (CSV), segundo notícia avançada pela RTL.

As candidaturas à liderança do CSV deviam ser apresentadas até ao final do dia de ontem e, ao que tudo indica, Wilmes e Engel deverão disputar o lugar deixado vago por Marc Spautz.

A rádio luxemburguesa dá como certas estas duas candidaturas, embora outras possam ter sido enviadas por correio ontem. Razão pela qual só hoje se deverá saber quem são, oficialmente, os candidatos à liderança do CSV.

A eleição do novo presidente dos cristãos-sociais vai ter lugar no congresso nacional do partido, marcado para o próximo dia 26, no Centro Cultural de Moutfort. Nesse dia, serão também conhecidos os nomes dos novos adjuntos e do secretário-geral do CSV.

Ficará assim concluída a renovação no seio do maior partido da oposição. As alterações surgem depois de, no início do mês passado, Martine Hansen ter substituído Claude Wiseler na liderança da bancada parlamentar do partido.

As mexidas acontecem na sequência das eleições legislativas de outubro, nas quais o CSV voltou a ser o partido mais votado, mas sem maioria absoluta, abrindo caminho à continuidade da coligação entre liberais, socialistas e ecologistas.


Notícias relacionadas

Legislativas. Noite amarga para o CSV
O CSV continua a ser o partido mais votado nas legislativas luxemburguesas mas não atinge os seus objetivos. O atual primeiro-ministro, Xavier Bettel (DP), disse que esta coligação "tem condições para continuar", enquanto Wiseler pretende formar governo à frente do partido mais votado. A grande revelação da noite foi o Partido Pirata e o déi Gréng.
Partidos mostram-se prudentes quanto à sondagem e alianças
Os seis partidos com assento parlamentar não levam “muito a sério” as mais recentes sondagens Politmonitor. Quanto a coligações que poderão sair depois das legislativas de outubro, apesar da abertura de alguns partidos, uns preferem esperar pelos programas eleitorais e outros pelos resultados.