Escolha as suas informações

Segurança Social portuguesa e luxemburguesa reúnem-se em 2019
Luxemburgo 5 min. 24.12.2018 Do nosso arquivo online

Segurança Social portuguesa e luxemburguesa reúnem-se em 2019

José Luís Carneiro anunciou um encontro entre a Segurança Social dos dois países.

Segurança Social portuguesa e luxemburguesa reúnem-se em 2019

José Luís Carneiro anunciou um encontro entre a Segurança Social dos dois países.
Foto: Chris Karaba
Luxemburgo 5 min. 24.12.2018 Do nosso arquivo online

Segurança Social portuguesa e luxemburguesa reúnem-se em 2019

O Governo português garantiu que vai salvaguardar os direitos sociais dos emigrantes portugueses no Luxemburgo e adiantou que a questão da atribuição de reformas será abordada num encontro dos serviços sociais dos dois países no primeiro trimestre de 2019.

Segundo o secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Luís Carneiro, o encontro entre a Segurança Social portuguesa e a luxemburguesa pretende avaliar e dar resposta às questões sobre a formação e decisão de atribuição de reformas.

Os conselheiros das comunidades portuguesas no Luxemburgo, João Verdades e Rogério Oliveira, anunciaram esta semana a intenção de mover uma ação judicial contra o Estado português pelos atrasos na emissão de documentos para a "instrução dos pedidos de reforma" de emigrantes naquele país. O anúncio surge depois de a Associação Raras ter denunciado que centenas de emigrantes portugueses enfrentavam uma situação de "carência económica e pobreza quase extrema", à espera de documentos da Segurança Social portuguesa necessários para obter pensões por invalidez, abonos de família e subsídios de desemprego.

À Lusa, o secretário de Estado disse que "há portugueses que estão no Luxemburgo que por vezes já tiveram carreiras contributivas em vários países", afirmando que "é um trabalho meticuloso de recuperação de direitos sociais" e que os atrasos também afetam residentes em Portugal. "Também aqui, para quem está no nosso território, às vezes demora o seu tempo", disse José Luís carneiro, que falava à Lusa à margem do encontro anual do Conselho da Diáspora, que decorreu na sexta-feira no Palácio da Cidadela, em Cascais. "É importante que tenham a noção de que todos os direitos sociais serão salvaguardadados e acautelados de acordo com aquilo que nos é transmitido pela Segurança Social", salientou o governante.

José Luís Carneiro recordou que já no passado ocorreram outros encontros entre os serviços da Segurança Social dos dois países, iniciativa que se repetirá no início do próximo ano, tendo em atenção todos aqueles que "pelas vias institucionais procuram obter resposta para, por um lado, obter a contagem do tempo de serviço e por outro para a formação da pensão", disse, frisando que "cada caso é um caso".

No primeiro trimestre de 2019, adiantou, haverá também um encontro entre responsáveis das respetivas autoridades tributárias dedicado aos temas de natureza fiscal, nomeadamente o da dupla tributação.


Centenas de portugueses no Luxemburgo na miséria devido a atrasos da Segurança Social
A Associação Raras denunciou hoje que centenas de emigrantes portugueses no Luxemburgo vivem em carência económica e pobreza quase extrema por atrasos da Segurança Social portuguesa na atribuição de pensões por invalidez, abonos de família e subsídios de desemprego.

Está também prevista uma outra sessão, referiu o secretário de Estado, para fazer um ponto de situação do acordo, estabelecido este ano, sobre formação profissional em língua portuguesa, mas que, "por força das eleições que ocorrerram no Luxemburgo", teve uma paragem na sua aplicação. O acordo a que se refere José Luís Carneiro tem por objetivo garantir aos trabalhadores da construção civil e do setor das limpezas que a sua formação possa ser feita em português. "Naturalmente, se vamos realizar encontros entre os serviços das administrações públicas dos dois países, é para encontrar soluções, mas como algumas delas estão solucionadas, agora trata-se de monitorizar o modo como estão a ser implementadas e quais os resultados que estão a ter", concluiu.

Segundo os conselheiros do Luxemburgo, os tribunais são "o último recurso" para tentar acabar com a "incompetência no envio de documentação que o Estado deveria fornecer a tempo e a horas", e com um "atraso gritante" que coloca os emigrantes "em situação de alguma fragilidade económica". Em comunicado, os representantes afirmaram que "falharam todas as diligências efetuadas pelos representantes da comunidade, sindicatos, centrais sindicais [e] demais associações" e que "todos os canais utilizados (via consular, diplomática, administrativa, governativa, parlamentar e política) se mostraram infrutíferos".

Os conselheiros anunciaram que vão organizar uma reunião com "prejudicados e interessados", na segunda semana de janeiro, "em data e local a marcar", "para escutar os problemas, mas também para propor já uma solução em termos de contencioso", que poderá passar por tribunais administrativos, Tribunal de Justiça da União Europeia ou Tribunal Europeu dos Direitos Humanos.

No Luxemburgo, os processos chegam à Associação Raras provenientes da Caixa Nacional Seguro de Pensão (CNAP, na sigla em francês) e da Agência para o Desenvolvimento para o Emprego (ADEM), entidades luxemburguesas que enviam, em média, "20 dossiês por mês" para aquela associação de apoio aos imigrantes portugueses no Grão-Ducado. Desde o início desta década, a Associação Raras monitorizou os dossiês que recebeu, apontando que os processos relacionados com a pensão por invalidez têm atrasos superiores a três anos (1.118 dias), em média.Os processos de pensão antecipada demoram, na análise feita pela Associação Raras, 611 dias, em média, enquanto a resolução de dossiês de pensão por velhice demora 523 dias.


Imigrantes desesperam à espera de papéis para a reforma
Esperam anos que a Segurança Social portuguesa envie os documentos necessários para pedirem a reforma no Luxemburgo. Casos kafkianos, que não se limitam aos imigrantes que querem pedir a pensão. Há quem se arrisque a perder o subsídio de desemprego por Portugal não certificar a carreira contributiva a tempo e horas. As histórias de quem desespera sem resposta de Portugal.

A associação atribui "a culpa desta problemática à Segurança Social portuguesa, mais precisamente o setor da Caixa Nacional de Pensões, porque tem um programa informático muito desatualizado".

Na quinta-feira, o deputado socialista eleito pelo círculo da Europa, Paulo Pisco, criticou os conselheiros no Luxemburgo e pediu uma tomada de posição ao Conselho das Comunidades Portuguesas (CCP). Numa carta enviada ao presidente do Conselho Permanente do Conselho das Comunidades Portuguesas, Flávio Martins, e a que a Lusa teve acesso, o deputado socialista criticou o que disse ser uma "pressão não enquadrada" promovida pelos conselheiros, atitude que diz representar "um ato político-partidário" e "incompatível com o espírito" do CCP.

Já o PCP questionou o Governo sobre que atitude vai tomar "de imediato" para salvaguardar os direitos sociais dos imigrantes portugueses no Grão-Ducado.


Notícias relacionadas

Imigrantes esperam que promessa de resolver problemas de pensões não fique “em águas de bacalhau”
O secretário de Estado das Comunidades ouviu hoje queixas de imigrantes no Luxemburgo que esperam por uma resposta de Portugal para obterem a reforma, durante o encontro “Diálogos com a Comunidade”. Houve quem se queixasse de estar há dois anos à espera da pensão de sobrevivência, após a morte do marido, ou quem só precise de um ano para completar os 40 anos de descontos e obter a reforma no Luxemburgo, caso de um português que não consegue que lhe reconheçam o tempo de serviço militar.
Contacto, Merl, centre culturel portugais, José Luis CARNEIRO, secretaires d'Etat portugais photo Anouk Antony